PMMA promove aula inaugural para novos policiais

 A Polícia Militar do Maranhão (PMMA) realizou na quinta-feira (28) a aula inaugural do Curso de Formação de Soldados para 399 homens e 33 mulheres que já iniciaram a turma de 2015 do Curso de Formação de Soldados (CFSd), em São Luís. O Curso de Formação de Soldados, última etapa do concurso público para o preenchimento dos cargos de soldado da PMMA, acontecerá no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças – CFAP, localizado na BR 135, Km 02, Tirirical. Serão oito meses de curso de formação com uma extensa grade curricular constituída de matérias teóricas e práticas, em 25 disciplinas.

A aula inaugural, que marcou oficialmente o início do curso aconteceu no auditório da Assembleia Legislativa do Maranhão e foi presidida pelo secretário de Estado da Segurança Pública, Jefferson Portela, que ressaltou os esforços e compromissos do governo Flávio Dino com a promoção da política de paz no estado e com a valorização dos policiais. “Estamos diante de uma nova era da segurança pública do Maranhão e o governo Flávio Dino não tem medido esforços para garantir tranquilidade à sociedade. Aqui temos a primeira turma que reforçará a segurança do nosso Estado. E, no total, serão mais de mil soldados formados, gradativamente, e distribuídos para todos os municípios maranhenses”, explicou Jefferson Portela.

Durante o evento, o comandante geral da PMMA, coronel Marco Antônio Alves, se dirigiu aos 432 novos alunos. “Desde o primeiro dia até o último dia de curso, tenham uma convicção que os desafios são gigantescos e deem o melhor de vocês. Saibam que a nossa missão é nobre, de defensores do cidadão e mantenedores da paz social”, disse o comandante geral da PM.

O encerramento da solenidade foi com a palestra do advogado e conselheiro federal da OAB, Raimundo Ferreira Marques, com o tema “Inquérito como instrumento de percepção penal”, com recomendações que são inerentes à atividade policial e importantes para um bom desempenho da prática profissional, dentro da legalidade. “Não tenho dúvidas que a formação de vocês será uma das melhores, diante da qualidade de seus instrutores e professores e das disciplinas atuais que obedecem à filosofia de respeito à vida e dignidade humana”, finalizou o palestrante.

Além das disciplinas técnicas da atividade policial, a grade curricular do CFSd terá disciplinas como resgate e pronto-socorro, libras e direitos humanos, além de princípios de cidadania com base na filosofia de respeito à vida, à integridade física e à dignidade da pessoa humana.

O curso de formação possibilitará ao candidato ao cargo de soldado PM, a qualificação técnica necessária para a execução das múltiplas atividades de policiamento ostensiva e de preservação da ordem pública, por meio dos tipos, modalidades e processos de policiamento, previstos nas constituições federal/estadual e legislações/atos normativos vigentes, sendo efetuado em regime de dedicação exclusiva.

Estiveram presentes representantes do governo estadual e municipal, o comandante geral da PMMA, coronel Marco Antônio Alves da Silva, oficiais e praças da corporação, representantes das Forças Armadas e Auxiliares e familiares dos alunos.

Fonte: SSP-MA

Vitória do Mearim -Mecânico é assassinado em praça pública e a ação foi filmada por populares

Mecânico montador Irinaldo Batalha

Na tarde desta quinta-feira(28/05), foi registrado um homicídio bárbaro na cidade de Vitória do Mearim, interior do Maranhão, onde um homem, identificado como Irialdo Batalha, caído no chão e aparentando estar desacordado, é executado com dois tiros na cabeça.

O fato foi registrado em vídeo gravado por populares, que estavam no local na hora dos disparos. O homem que aparece nas imagens estava vestido com uma farda no estilo militar, e, segundo moradores, era um policial. Mas, a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) negou o fato e afirmou que, na verdade, o atirador é um vigilante, identificado como Luiz Carlos, funcionário do município de Vitória do Mearim.

Ainda segundo a SSP, o vigilante estava em companhia de policias militares fazendo perseguição a dois suspeitos de praticarem assalto a comércio. Durante a perseguição, teria havido uma troca de tiros entre assaltantes e policiais e “um dos suspeitos foi baleado, caiu da moto e bateu a cabeça.

Neste momento, conforme vídeo e relato de testemunhas, o vigilante se aproximou do local e disparou contra o suspeito de praticar assalto, sem a presença dos policiais militares, que estavam em perseguição ao outro indivíduo efetuando a prisão”, afirmou a SSP, por meio de nota enviada à imprensa.

Vigilante Luiz Carlos (marcado de vermelho)

Já os parentes da vítima e populares negam a versão da SSP e afirmam que Irialdo e outro homem, ambos moradores da cidade de Arari, estavam bebendo em Vitória e, quando retornavam para a sua cidade de moto, não pararam em uma blitz policial, pois o veículo estava sem placa.

Como eles fugiram, a polícia começou a disparar e os dois foram atingidos. Irialdo caiu no chão ferido. Enquanto o rapaz estava agonizando, o vigilante chega e coloca o pé na cabeça do homem e termina de matá­-lo com dois tiros na cabeça, em vez de prestar socorro, já que a vítima estava ferida e indefesa.

O crime foi cometido na frente de várias pessoas e registrado em vídeo. Moradores, que preferem não se identificar, afirmam que a vítima não era bandido e muito menos portava uma arma de fogo na hora do crime, sendo que estava praticamente morto no chão.

Um primo de Irialdo, em entrevista à rádio Mirante AM, reforça a versão de que o rapaz era uma pessoa de bem, sem nenhum envolvimento com o crime. “Ele era um rapaz querido pela família, era uma pessoa boa, prestativo. E não é porque ele morreu que estou dizendo isso, mas a gente via como ele era no dia a dia. Queremos falar da nossa indignação com a polícia do Maranhão, não toda a polícia, mas esses cidadãos que fizeram isso. A gente ficou sem entender a ação da polícia, pois meu primo não reagiu e nem tinha arma, estava indefeso no chão”, desabafa o primo da vítima.

Segundo a SSP, a Polícia Militar está à procura do vigilante suspeito da execução, que fugiu do local. A polícia, também, determinou a imediata apresentação dos policiais militares, para apurar as circunstâncias em que ocorreu toda a operação e adotar as providências legais que o caso requer.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A respeito do assassinato do homem suspeito de praticar assalto, na tarde desta quinta-feira (28) no município de Vitória do Mearim, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Segurança Pública, esclarece que:
O principal suspeito de cometer o crime é o vigilante identificado por Luiz Carlos, funcionário do município de Vitória do Mearim, que, após perseguição policial a dois suspeitos de realizarem assalto a comércio, se aproximou e executou o homem com dois tiros;

Durante a operação policial, houve troca de tiros entre assaltantes e policiais e um dos suspeitos foi baleado, caiu da moto e bateu a cabeça. Neste momento, conforme vídeo e relato de testemunhas, o vigilante se aproximou do local e disparou contra o suspeito de praticar assalto, sem a presença dos policiais militares, que estavam em perseguição ao outro indivíduo efetuando a prisão;

A Polícia Militar realiza diligências para prender o vigilante suspeito de execução, que se evadiu do local. A polícia também determinou a imediata apresentação dos policiais militares, que atenderam a ocorrência ao Comando Geral da Polícia Militar para apurar as circunstâncias em que ocorreu toda a operação e adotar as providências legais que o caso requer.

São Luís, 29 de maio de 2015
Secretaria de Estado da Segurança Pública

Polícia Civil do MA, desarticula quadrilha que fraudava licitações da UNIVIMA

00000000776

Carros de luxo e mansões custeados com dinheiro público

A megaoperação batizada de ‘Cayenne’ realizada pela Polícia Civil, por meio da Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção, na quarta-feira (27), resultou na prisão de Paulo Giovanni Aires Lima, José de Ribamar Santos Soares, Inaldo Damasceno Correa e Valmir Neves Filho, suspeitos de desviar aproximadamente R$ 34 milhões da Universidade Virtual do Maranhão (Univima). Com eles, a polícia apreendeu carros de luxo, joias estimadas em mais de meio milhão de reais, relógios de marca, com unidades que superam R$ 20 mil, dentre outros objetos e documentos, que apontaram que os envolvidos levavam uma vida de ostentação e luxo, não condizente com os ganhos declarados por eles.

Segundo o delegado Manoel Almeida, da Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção, o esquema fraudulento funcionava da seguinte forma: os ordenadores de despesa do órgão realizavam pagamentos normais aos credores do órgão, que tinham contratos em vigor e que apresentaram faturas a serem pagas. Depois da emissão das ordens bancárias e de confirmar o pagamento pelo banco, o responsável pelo setor financeiro cancelava o pagamento no sistema Siafem e lançava novo pagamento, dessa vez, para empresas fantasmas, usadas apenas para desviar os recursos públicos. A fraude foi realizada durante três anos, sem que os gestores máximos dos órgãos impedissem a reiteração.

A quadrilha operou na Universidade Virtual do Maranhão no período de 2010 a 2013. De acordo com o delegado Manoel Almeida, o suspeito Paulo Giovanni Aires Lima, trabalhou no setor financeiro da Univima, de 2010 a 2011, quando teria sido substituído pelo servidor José de Ribamar Santos Soares, que continuou operando sistema Siafem, de 2011 a 2012. Ele contou que os funcionários recebiam um salário mensal de aproximadamente R$ 2,2 mil, o que não condiz com a vida luxuosa que ostentavam.

“Com o Paulo Giovanni apreendemos dois carros de luxos, sendo um Corolla e um Fusion, mas pela consulta ao seu CPF, identificamos que o mesmo já possuiu vários carros caros, como SW4, Hillux e até um Porsche Cayenne, avaliado em aproximadamente R$ 300 mil. Na residência do suspeito encontramos, ainda, joias, relógios, que se confirmado sua autenticidade podem custar mais de R$ 20 mil cada, ressaltando que a casa em que reside no Araçagi está avaliada em R$ 2,2 milhões. O Paulo Giovanni nega o envolvimento no esquema e diz que trabalha no ramo da construção civil, e pontuou que começou construindo e vendendo casas populares e depois entrou no ramo de imóveis de luxo”, relatou.

A autoridade policial afirmou que José de Ribamar Santos, que também trabalhou no setor financeiro da Univima e também recebia o salário de R$ 2,2 mil, também ostentava negócios superiores ao seu pró-labore. Em nome do suspeito a polícia identificou uma locadora de veículos, com aproximadamente 15 automóveis, entre modelos populares, de luxo e até uma van que fazia viagens para o interior do estado. José de Ribamar Santos é detentor de mais de 10 imóveis na Região Metropolitana de São Luís, colocados em nome de parentes.

O delegado Manoel Almeida explicou que o empresário Valmir Neves Filho, é proprietário de várias empresas e recebeu da Univima, entre 2011 e 2012, aproximadamente R$ 12 milhões. Já Inaldo Damasceno Correa, foi identificado como ‘laranja’ do empresário e confessou, em depoimento, que teria recebido da Universidade R$ 770 mil, referente a duas movimentações financeiras no ano de 2011, valor este que teria repassado em seguida a Valmir Neves.

“De 2010 a 2012 uma das empresas de Francisco José Silva Ferreira movimentou cerca de R$ 21,5 milhões no esquema envolvendo a Universidade. Ele é proprietário de vários empreendimentos, carros de luxos, uma pousada e um imóvel em Barreirinhas”, disse o delegado.

A fraude foi descoberta por meio de uma auditoria da Secretaria de Estado de Transparência e Controle, que revelou o desvio de R$ 33, 78 milhões dos cofres públicos do Estado do Maranhão, através de fraude no sistema financeiro do Estado, o Siafem.

“Ao receber o relatório de auditoria apontando a fraude, instauramos um procedimento na Corregedoria Geral do Estado para investigar os fatos e depois compartilhamos as provas e relatórios com a Polícia Civil. Ainda não é possível afirmar o envolvimento de servidores de alto escalão, mas a Corregedoria Geral do Estado, vinculada à Secretaria de Transparência, aprofundará as investigações”, relatou o secretário de Transparência e Controle, Rodrigo Lago.

O secretário de segurança destacou o trabalho sério e imparcial realizado no combate ao desvio de recursos financeiros no estado. “A operação visa o combate à corrupção em todas as suas formas. Esses desvios não atingem apenas o patrimônio de forma individual, mas lesa a coletividade. O sistema penal não deve olhar nomes, sobrenomes e cargos. Foi o que foi feito”, pontuou.

Fonte: ASSCOM-SSP

Sisu 2015 – Segunda etapa começa em junho

Índice2Fique atento, pois, as inscrições para a segunda edição de 2015 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) serão abertas no dia 8 de junho e seguem até o dia 10 de junho, exclusivamente pela internet. Para se inscrever no Sisu o candidato deve ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014 e não ter zerado a redação. O cronograma do Sisu está publicado na edição de hoje, 29, do Diário Oficial da União.
Por meio do Sisu, os estudantes participantes do Enem concorrem a vagas de ensino superior em instituições públicas. No endereço da página do Sisu, o estudante poderá se inscrever para até duas opções de vaga, especificando a ordem de preferência. Durante o período de inscrição é possível mudar as opções. O candidato também precisa definir se deseja concorrer às vagas de ampla concorrência, às vagas reservadas à lei federal de cotas ou às vagas destinadas às demais políticas afirmativas das instituições.
O resultado será divulgado no dia 15 de junho em uma única chamada e a matrícula deverá ser feita na instituição de ensino nos dias 19, 22 e 23 de junho. É de responsabilidade do estudante se informar sobre os procedimentos e documentos necessários.
Quem não conseguiu uma vaga na chamada regular pode participar da lista de espera se inscrevendo na página do Sisu, na internet, entre os dias 15 e 26 de junho. O candidato só poderá manifestar interesse em participar da lista de espera para o curso que escolheu como sua primeira opção, no momento da inscrição.

Codoense é preso com 110 kg de maconha em Porto Franco – MA

Os suspeitos foram Ricardo Matias e Letícia Magalhães. – Divulgação/PRF

A Polícia Rodoviária Federal prendeu na madrugada desta quinta-feira (28), na BR-010, no km 155, em Porto Franco, município a 97 km de Imperatriz o casal Ricardo Matias da Silva, 29 anos, e Letícia Magalhães Pinheiro, de 23 anos por tráfico de drogas.

De acordo com a PRF, a prisão foi realizada após uma abordagem policial, em um ônibus turismo, que seguia viagem de Goiânia para Zé Doca, na baixada maranhense.

A droga prensada e em forma de tabletes, foi localizada no bagageiro do veículo, dentro de duas malas e também, de uma caixa.

A polícia informou, ainda, que contra Ricardo Matias existe um mandado de prisão em aberto, expedito pela 1ª Vara de Execuções Penais da capital, São Luís.

Os suspeitos de tráfico de drogas foram apresentados na Delegacia da Polícia Civil de Porto Franco.

Aguarde os detalhes da prisão e como fica o tráfico em Codó depois dessa apreensão e prisões.

Representantes do Grupo de Monitoramento Carcerário do TJMA participam de encontro do CNJ

aristonO desembargador Froz Sobrinho participou, em Brasília, nos dias 27 e 28 de maio, no auditório  do Supremo Tribunal Federal (STF), do Workshop Nacional dos Grupos de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (GMFs), que discute o aprimoramento da atuação da Justiça junto ao sistema carcerário brasileiro.

Além do magistrado, que é presidente do GMF do Tribunal de Justiça do Maranhão, os juízes Fernando Mendonça (2ª VEP) e Mário Márcio (auxiliar da CGJ), e o secretário executivo da Unidade de Monitoramento Carcerário (UMF-TJMA), Ariston Apoliano, integram a equipe do Judiciário maranhense.

O workshop foi aberto pelo juiz auxiliar da Presidência do CNJ Luís Geraldo Sant’Ana Lanfredi, coordenador do Departamento de Monitoramento do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF). O evento é destinado aos desembargadores, juízes, servidores dos tribunais de Justiça e tribunais regionais federais, membros dos GMFs.

Idealizado pelo Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF), do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o workshop busca aperfeiçoar e disseminar novas técnicas para a administração da Justiça na execução penal. Também protagoniza todo o workshop a discussão sobre a implantação de um “Sistema de Execução Penal Unificado (Seeu)”, capaz de facilitar a fiscalização e a gestão do cumprimento das penas de todos os detentos no Brasil.

O grupo do Maranhão apoiou a criação da nova sistemática e sugeriu no workshop que o novo processo de execução penal unificado use a base de dados dos TRE e TSE, por ser de numeração única e facilitar o acompanhamento processual penal.

ABERTURA – Na abertura, o presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, definiu o projeto da audiência de custódia como fundamental para a garantia da dignidade da pessoa humana e também para eliminar uma cultura do encarceramento vigente no país. Ele alertou para o fato de, no Brasil, 42% dos 600 mil detentos serem presos provisórios, ou seja, ainda não julgados, muitos dos quais autores de pequenos delitos.

No primeiro dia do evento, o ministro abordou, ainda, outras iniciativas do CNJ voltadas à melhoria das condições do sistema carcerário. Uma delas é o programa Cidadania nos Presídios, para aprimorar a tramitação dos processos dos detentos, a fiscalização das condições dos estabelecimento prisionais e a reinserção social dos apenados. Outra iniciativa citada, em fase de discussão, é um programa destinado a melhorar as condições de saúde dos presos.

Assessoria de Comunicação do TJMA

Deputado Sousa Neto repudia declarações do secretário de Segurança

sousa1-300x199O deputado Sousa Neto (PTN) repudiou nesta quinta-feira (28) as declarações feitas pelo secretário estadual de Segurança, Jeferson Portela, por meio das quais ele afirmou que a reação do policial militar Max Muller, assassinado por assaltantes, foi a causadora da chacina ocorrida em Panaquatira. O parlamentar também criticou a decisão do secretário de desarmar os policiais que estiverem de folga.
Em tom de indignação, Sousa Neto leu a nota publicada em uma rede social pelo irmão do policial assassinado e repudiou a forma como o secretário tem tratado a questão da segurança.

“A condução do sistema de segurança pelo governo do Estado e a forma como o secretário tem se manifestado quando são colocadas em dúvida a sua competência e a sua capacidade só demonstram que ele não tem o equilíbrio necessário para gerir a segurança pública no Estado e não pode estar no lugar em que está”, disse o deputado.

O deputado afirmou que utilizando as redes sociais, o secretário Jefferson Portela teria rebatido as criticas recebidas com expressões pejorativas ao fazer referência aos deputados estaduais Sousa Neto, Edilazio Junior e Cesar Pires.

Ainda durante o discurso, Sousa Neto questionou a decisão da Secretaria de segurança do Estado de desarmar os policiais quando não estiverem em serviço.  O deputado explicou que a ideia é acabar com o que se chama de acautelamento, que permite aos policiais portar armas do Estado mesmo quando estão de folga. Assim, eles seriam obrigados a deixar as armas no quartel ao fim do turno.

O parlamentar finalizou que continuará cobrando melhores condições de trabalho para os policiais. “A Polícia Militar tem uma lei, a nº 9.663 de 2012, que trata sobre a criação da gratificação de complementação de jornada operacional para as operações especiais das Polícias Civil e Militar do Estado. Essa lei tem que ser respeitada e como parlamentar desta Casa cobrarei todos os dias. O secretário de segurança tem que aprender a lidar com as criticas”, concluiu.

Fonte: ASSCOM- Dep. Sousa Neto

Deputado Alexandre Almeida é contra a transferência de policiais de Timon para São Luis

Deputado-Alexandre-AlmeidaDurante a sessão plenária desta quinta-feira (28), o deputado Alexandre Almeida (PTN) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa para fazer um apelo. “Quero pedir ao governador Flávio Dino, ao secretário de Segurança Pública e ao Comando Geral da Polícia Militar para que revejam a decisão de transferir 12 policiais de Timon para São Luís”.

O deputado explicou que tal medida vai causar um impacto negativo na segurança de três municípios, visto que o efetivo do 11º Batalhão da Polícia Militar, localizado em Timon, atende tanto Panarama quanto Matões.

“Sabemos que hoje a violência crescente é um problema generalizado, mas em Timon temos uma situação peculiar: o fato do município localizar-se ao lado de Teresina, que vive um momento difícil em relação a segurança pública, estando inclusive recebendo o apoio da Força Nacional”, destacou Alexandre Almeida.

Ainda segundo o parlamentar, o 11º Batalhão dispõe de um efetivo de 281 militares, sendo que 75 não estão trabalhando por vários motivos, o que gera um déficit no número de policiais para atender três municípios.

“O contingente atual de policiais militares é pequeno para a Região, imaginem os problemas que teremos se ainda for reduzido com a transferência de policiais para a capital”, enfatizou o deputado.

O deputado destacou ainda, que hoje a violência em Timon é tão alta que a Central de Flagrantes do município é a segunda colocada em relação a número de ocorrências, perdendo apenas para São Luís.

Alexandre Almeida finalizou seu pronunciamento reforçando o apelo inicial. “Peço, em nome da população de Timon, de Parnarama e de Matões que não mexam no efetivo do 11º Batalhão, pois precisamos é de mais reforço, e não de medidas que possam comprometer a segurança da população desses municípios”.

ASSCOM- Dep. Alexandre Almeida

Cobre a cabeça e descobre os pés – Governo tira PMs do interior para reforçar segurança na capital

 sousa1-300x199O deputado estadual Sousa Neto (PTN) denunciou na sessão desta quarta-feira (27) que policiais lotados no interior do Maranhão estão vindo fazer o policiamento em São Luís sem receber diárias e sem conhecer a realidade da capital.

“Como faço parte da comissão de segurança da Assembleia, tenho recebido inúmeras denúncias sobre isso. São policiais que estão sendo convocados no interior para fazer o policiamento e que chegam aqui em pânico, dizendo que estão sendo trazidos para São Luís para morrer, porque não sabem andar na cidade e não conhecem os bairros”, denunciou o parlamentar.

Durante o discurso, Sousa Neto questionou a ação da secretaria de segurança pública. “Esses policiais estão desguarnecendo a segurança dos municípios, que já está precária, para vir fazer o policiamento na capital e sem nenhum treinamento para isso”, enfatizou.

O deputado ainda explicou que a ação do governo implica em sérios riscos para a segurança dos próprios policiais “Imaginem, senhores, colocar uma viatura no Barramar com policiais vindo do interior, que não conhecem a realidade de São Luís? Ai eles recebem a ocorrência no bairro do Calhau e sem saberem para onde vão. É a falsa sensação de segurança que o governador quer passar para ludibriar a população e que nós não aceitaremos. O secretário de segurança precisa se explicar e eu cobrarei isso”, concluiu.

De onde serão deslocados os PMs

20 de Timon

10 de Caxias

10 de Bacabal

3 de Barra do Corda

7 de Imperatriz

2 de Estreito

5 de Balsas

Fonte: blog do Gilberto Léda

Jeferson Portela perdeu a oportunidade de ficar calado e culpa PM morto

jefferson-portela-940x540Já na berlinda por conta dos índices de criminalidade que só aumentam na capital do maranhense  e por seu posicionamento arrogante e prepotente diante do caso da “Chacina do Panaquatira”, onde marginais chegaram atirando numa residência em que era realizada uma festa particular, o secretário agora atribui a culpa de todas as mortes ao soldado do 6º Batalhão da Policia Militar, Max Muller Rodrigues de Carvalho por tudo que aconteceu.

De acordo com o “experiente” delegado na sua desastrosa entrevista disse: “Nós devemos sempre, como agentes públicos de segurança, evitar o confronto onde a gente não possa ter uma garantia de supremacia da força estatal sobre a força marginal. A orientação é essa, a reação da gente deve ser pautada na possibilidade de domínio e não numa possibilidade de risco. Se for de risco, o certo é evitar, deixar para fazer a perseguição policial e captura depois”, defendeu Portela.

Ainda durante a entrevista, Jefferson Portela acabou revelando uma falha de conivência ou incompetência da Segurança Pública do Estado, que lembra muito o resgate cinematográfico de quatro presos em Pedrinhas: a [Inteligência da] polícia já vinha monitorando as ações da quadrilha que invadiu a casa de praia, mas mesmo assim não conseguiu evitar a tragédia.

“Nós já vínhamos desenvolvendo ações na parte de cada praia devido à ação deles. Agora, em outro extremo, eles foram à Ponta Verde e cometeram essa barbárie, essa chacina. Estou me manifestando como cidadão e como chefe do sistema de segurança do Maranhão: a liberdade deles põe em risco a vida de pessoas, o que devemos impedir”, disse.

Comentário:

Como cidadão, o secretário jamais poderia se posicionar desta forma, pois seu comentário reflete na sua função, o policial morto não está entre nós para se defender a agora, restam apenas os depoimentos das testemunhas que presenciaram a barbárie e uma das vítimas que recebeu o primeiro tiro na cabeça e teve que se fingir de morto disse à TV Mirante em entrevista que foi ao ar na manhã e tarde desta quinta-feira, disse que:  três dos seis bandidos já chegaram atirando pela frente da casa, outros três entraram pelos fundos e numa reação de auto defesa e das outras pessoas o policial heroicamente reagiu e ainda conseguiu balear três dos bandidos.

Na capital, o clima é tenso. A onda de violência já saiu do controle estatal e os bastidores da política estadual dão conta que a queda do secretário é certa, é apenas uma questão de tempo.

Extraído a adaptado. Fonte: Atual7