Justiça bloqueia verba pública para garantir cirurgia de recém-nascido

O processo teve como relator o desembargador Cleones Cunha

A 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) manteve o bloqueio de R$180 mil da conta do Sistema Único de Saúde (SUS) do Município de Imperatriz, para garantir a cirurgia cardíaca e o tratamento de saúde de um bebê que nasceu com problemas cardiopáticos.

O processo teve como relator o desembargador Cleones Cunha, que em seu voto confirmou sentença da Vara da Infância e Juventude da Comarca de Imperatriz, cujo entendimento foi pelo cumprimento do pedido de tutela antecipada ajuizada pelo Ministério Público do Maranhão (MPMA).
De acordo com o desembargador Cleones Cunha, a medida excepcional de determinar o bloqueio foi acertada, como forma de custear a transferência e o tratamento da criança, sobretudo, por ser inaceitável o comportamento do Município de Imperatriz em deixar de cumprir a decisão judicial.
Segundo o desembargador, o histórico daquele ente municipal no descumprimento de determinações da Justiça, legitima a adoção de medidas mais coercitivas.
O voto do relator foi seguido pelos membros do colegiado, que não acolheram os argumentos apresentados pelo Município que, em recurso interposto junto ao Tribunal de Justiça, alegou ser inconstitucional o provimento antecipatório que determinou o bloqueio contra a Fazenda Pública.
No recurso, o Executivo Municipal sustentou ser inviável o encaminhamento do bebê para a cidade de São Luís e pediu para sustar a eficácia da decisão recorrida, de forma a impedir a liberação do valor bloqueado.
O Ministério Público defendeu os termos da decisão, enfatizando que houve descumprimento da determinação judicial por parte do Município de Imperatriz, ao deixar de transferir a criança que estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital da Prefeitura, aguardando transferência para realização do procedimento cirúrgico corretivo.
De acordo com informações do Juízo de 1º Grau, a determinação do Poder Judiciário Estadual garantiu a realização do procedimento cirúrgico, devendo o valor excedente do bloqueio ser devolvido aos cofres públicos.

Instituto federal tem projeto de apoio à prática da escrita

O professor Sérgio de Jesus resume a ideia do projeto: “As principais atividades consistem na leitura de obras literárias como suporte ideológico, social e, ao mesmo tempo, cultural, na prática da produção escrita” (foto: arquivo do professor)Levar os estudantes a uma compreensão melhor do processo de aprendizagem da escrita e proporcionar experiência mais agradável e produtiva em relação ao ato de escrever é o objetivo do 1º Simpósio sobre Práticas Discursivas na Amazônia, promovido pelo campus de Cacoal do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), esta semana.

O evento, que tem como tema o Texto como Prática Social, será realizado até sábado, 15. O simpósio faz parte do projeto Língua, Linguagem e Literatura, desenvolvido desde 2013 pelo professor Sérgio Nunes de Jesus. Criado para atender estudantes do próprio campus, o projeto foi ampliado em 2014 e passou a abranger outras instituições de ensino da região interessadas em ajudar alunos com dificuldades no processo textual.

Com duração de um ano letivo, o projeto desenvolve o processo interdisciplinar do texto em diferentes situações na educação básica, de forma a conciliar os conhecimentos e as práticas dos estudantes. “As principais atividades consistem na leitura de obras literárias como suporte ideológico, social e, ao mesmo tempo, cultural, na prática da produção escrita do texto científico, produzido após análises com apresentações em formato de banners”, explica o professor. Também ocorrem práticas de leitura e análise do livro-texto Produzir Texto na Educação Básica, de Celso Ferrarezi Júnior e Robson Santos de Carvalho, quando são usadas técnicas do ato de redigir e escrever como prática metodológica.

Segundo o professor, inúmeros alunos foram beneficiados nesses três anos de realização do projeto, não só com aprovação em vestibulares, mas com o reconhecimento social. Há 21 anos no magistério, Sérgio dá aulas de língua portuguesa, literatura e produção de textos em turmas dos cursos técnicos em agropecuária e em agroecologia e de metodologia do trabalho científico, no curso de licenciatura em matemática. Com licenciatura em letras (inglês–português), ele tem mestrado em linguística e doutorado em educação.

Concurso — No campus do instituto em Colorado do Oeste é desenvolvido este ano o projeto Poder da Palavra, com professores das redes municipal, estadual e particular de ensino do município. Criado pelo professor Moisés José Souza, visa a discutir e fomentar iniciativas que respaldem o trabalho com as práticas discursivas. “Em sala de aula, faz-se necessário, sobretudo no trabalho com a língua portuguesa, contemplar as práticas discursivas”, salienta Moisés. “Por meio delas, ao conhecer as nuances e usos, os alunos podem desempenhar significativamente a linguagem no cotidiano, expressando-se com eficácia.”

O projeto é dividido em três partes. A primeira propicia momentos de estudo para os professores de língua portuguesa, com discussões para troca de relatos de experiências e estratégias; a segunda fomenta a produção de textos em sala de aula; a terceira é um concurso de produção de textos voltado para alunos de escolas públicas e particulares de educação básica, ensino técnico, tecnológico e superior de todo o município. “São atendidos cerca de 4.550 estudantes”, ressalta Moisés.

O projeto contempla seis gêneros textuais. Assim, os alunos dos três primeiros anos do ensino fundamental podem participar no gênero desenho–ilustração; do 4º e 5º anos, fábula; do 6º e 7º anos, poema; do 8º e 9º anos do ensino fundamental e 1º ano do ensino médio, memórias; do 2º e 3º anos, artigo de opinião. Os do ensino superior, artigo científico.

No dia 21 próximo, será realizado o evento de encerramento, com a premiação dos dez melhores textos em cada categoria e apresentações culturais das escolas envolvidas.

Há 20 anos no magistério, Moisés tem graduação em letras, especialização em língua portuguesa e mestrado em educação. Ele leciona em turmas do ensino médio, técnico, tecnológico e superior.

Fátima Schenini

Fonte: MEC

Flávio Dino anuncia a construção do Terminal Rodoviário de Timon

O governador Flávio Dino anunciou nesta quarta-feira (12) a construção do Terminal Rodoviário do município de Timon. O governador conheceu o Plano de Requalificação Urbana do município com projetos voltados para a área urbana, social e educacional, apresentados pelo prefeito de Timon, Luciano Leitoa, e pelo deputado estadual Rafael Leitoa.

A construção do Terminal Rodoviário em Timon é uma das reivindicações antigas dos timonenses. Localizado na BR 316, o projeto arquitetônico do Terminal prevê a construção de área de embarque e desembarque apropriada ao fluxo rodoviário; espaços para restaurantes e quiosques de vendas; terminal de espera para passageiros, banheiros comuns e adaptados; estacionamento para carros, mirante, área para a administração, escadas e elevadores.

“A Rodoviária é o cartão postal de entrada de qualquer cidade. Atualmente, não podemos dizer que Timon possui uma rodoviária. Com o novo espaço, os timonenses terão o Terminal Rodoviário que a população merece ter”, disse o prefeito Luciano Leitoa sobre a obra que recebe investimento de R$ 6 milhões do Governo do Estado.

A construção da rodoviária de Timon integra o conjunto de ações de infraestrutura do Governo do Estado para o desenvolvimento dos municípios do Maranhão. Este ano, o Executivo Estadual autorizou, em Timon, a reforma e ampliação do prédio do Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente (Caic), que funcionará como uma escola em tempo integral e a construção do Centro da Juventude Carlos Jansen, primeira obra de grande porte para a prática do esporte e lazer, do próprio município de Timon.

O deputado estadual Rafael Leitoa destacou a importância das obras para o município que recebe, pela primeira vez, obras do Governo do Estado. Rafael relembrou que nos últimos anos a cidade foi abandonada pelo governo anterior. “Nós agradecemos o olhar sensível do governador ao nosso município. A nossa cidade já vive dias melhores”, afirmou o deputado.

Fonte: www.ma.gov.br

PEDREIRAS – Ministério Público realiza hoje ato contra corrupção

Pedreiras Ato Público contra Corrupção

A Associação do Ministério Público do Maranhão (Ampem) e a 1ª Promotoria de Justiça de Pedreiras realizam nesta quinta-feira (13) um ato público contra a corrupção. O evento vai acontecer às 9 horas no auditório da Faculdade de Educação São Francisco (Faesf), na Rua Abílio Monteiro, em Pedreiras.

Foram convidados para o ato instituições de controle, Assembleia Legislativa, prefeitos e vereadores da região e a sociedade civil organizada.

Segundo a promotora de justiça Sandra Soares de Pontes, titular da 1ª Promotoria de Pedreiras, a iniciativa vai acontecer num momento propício em relação à conjuntura política nacional e local, referindo-se à crise política que envolve o Governo Federal e ao afastamento do prefeito de Pedreiras, Totonho Chicote, que se encontra afastado por cargo por fraude em licitações e outras irregularidades.

“O Ministério Público tem um lado definido, que é o da correta aplicação dos recursos públicos, e com o evento queremos deixar isso evidenciado mais uma vez”, enfatiza.

Redação: CCOM-MPMA

Lei que permite nepotismo em Açailândia é declarada inconstitucional

O Órgão Especial julgou procedente a ação direta de inconstitucionalidade apresentada pelo MPMA

O Órgão Especial julgou procedente a ação direta de inconstitucionalidade apresentada pelo MPMA

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) julgou procedente a ação direta de inconstitucionalidade (Adin), para declarar inconstitucional a Lei nº 257/2006, de Açailândia. De acordo com o relator, desembargador Jamil Gedeon, a norma permite a prática de nepotismo, consolidada na possibilidade de nomeação do cônjuge do prefeito e do vice-prefeito para ocupar cargos comissionados na administração direta e indireta do município.

A ação foi proposta pela procuradora-geral de Justiça do Estado, Regina de Almeida Rocha, que considerou a lei inconstitucional, por afrontar os limites da autonomia municipal e os princípios da moralidade administrativa e da impessoalidade, descritos no artigo 19 da Constituição do Estado e no artigo 37 da Constituição Federal.

Manifestação do município de Açailândia informou que não dispõe de agentes com vínculo familiar ocupando cargos comissionados ou função gratificada.

Anteriormente, o desembargador Raimundo Melo já havia deferido medida cautelar, determinando a suspensão da eficácia da lei.

O relator Jamil Gedeon e os demais desembargadores do Órgão Especial concordaram com os argumentos da procuradora-geral de Justiça e votaram pela procedência da Adin. (Protocolo nº 31853/2012 – São Luís)

 Assessoria de Comunicação do TJMA

Ostomia – Você sabe o que é uma pessoa ostomizada?

Índice3
Pessoa ostomizada é aquela que precisou passar por uma intervenção cirúrgica para fazer no corpo uma abertura ou caminho alternativo de comunicação com o meio exterior, para a saída de fezes ou urina, assim como auxiliar na respiração ou na alimentação. Essa abertura chama-se estoma. Muitos procedimentos cirúrgicos necessários para tratamento do câncer acabam gerando estomas.
O que é estomia?
É o nome da cirurgia que cria o estoma, um orifício, no abdômen ou na traqueia, permitindo comunicação com o exterior. São elas:
  • Estomias Intestinais (colostomia e ileostomia) – São intervenções cirúrgicas realizadas, tanto no cólon (intestino grosso) como no intestino delgado e consistem na exteriorização de um segmento intestinal através da parede abdominal, criando assim uma abertura artificial para a saída do conteúdo fecal.
  • Estomias urinárias (urostomia) – Abertura abdominal para a criação de um trajeto de drenagem da urina. São realizadas por diversos métodos cirúrgicos, com objetivo de preservar a função renal.
  • Gastrostomia – É um procedimento cirúrgico que consiste na realização de uma comunicação do estômago com o meio exterior. Tem indicação para pessoas que a necessitam como via suplementar de alimentação.
  • Traqueostomia – Procedimento cirúrgico realizada para criar uma comunicação da luz traqueal com o exterior, com o objetivo de melhorar o fluxo respiratório.
bolsaO que é a bolsa coletora?
A bolsa é um saco coletor que recebe as fezes ou a urina. Há vários tipos e são indicados de acordo com a localização do estoma, idade da pessoa e tipo de material a receber. Essas bolsas coletoras podem ser drenáveis ou não, opacas ou transparentes e em uma ou duas peças.
Existe algum serviço do SUS dedicado à atenção das pessoas ostomizadas?
Sim. Existem os Serviços de Atenção às Pessoas Ostomizadas. São unidades de saúde especializadas para assistência às pessoas com estoma. Esses serviços devem desenvolver ações de reabilitação que incluem as orientações para o auto cuidado, a prevenção, o tratamento de complicações no estoma, a capacitação de profissionais e o fornecimento de equipamentos coletores e de proteção e segurança (bolsas coletoras, barreiras protetoras de pele sintética, coletor urinário). Devem também ter equipe multiprofissional, equipamentos e instalações físicas adequadas integradas à estrutura física dos centros de saúde.
Em Codó, não há um controle sobre o número de pessoas Ostomizadas, há ainda muito preconceito e vergonha por parte das vítimas e uma discriminação de parte da sociedade.
O grande problema é que as pessoas ostomizadas não sabem que possuem os mesmos direitos que a lei garante às pessoas com deficiência.
As pessoas ostomizadas são consideradas portadoras de deficiência física e, em razão disso, podem usufruir dos direitos que a lei garante às pessoas com deficiência, desde que cumpridos os demais requisitos (ex.: compra de veículos adaptados com isenção de impostos, Benefício da Prestação Continuada, isenção da tarifa em transporte urbano coletivo, entre outros).
Legislação
Lei nº 5.296, de 02/12/2004 (art. 5º, §1ºinciso, I, “a”) – Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.
Decreto nº 3.298, de 20/12/1999 (art. 4º, inciso I; art. 19, parágrafo único, IX)- Regulamenta a Lei nº 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção e dá outras providências.
Portaria SAS/MS nº 400, de 16/11/2009 – Estabelece diretrizes nacionais para a atenção à saúde das pessoas ostomizadas no âmbito do Sistema Único de Saúde.
Fonte: www.oncoguia.org.br

Capinzal do Norte – Carro forte é assaltado e bandidos não deixam pistas

Cerca de oito homens fortemente armados tomaram de assalto um carro-forte na tarde desta quarta-feira (12) nas proximidades do Povoado Santa Rosa, município de Capinzal do Norte-MA.

Os oitos homens obrigaram o motorista do carro-forte a encostar no canteiro e começaram a disparar contra o veículo e contra as pessoas que vinham na estrada. Um dos tiros furou o pneu do carro-forte fazendo com que os ocupantes se evadissem pelo matagal abandonando o veículo.

Os bandidos conseguiram pegar vários malotes de dinheiro e fugiram em direção ao município de Peritoró.

De acordo com informações, durante a ação criminosa o grupo fez uma pessoa  refém e ainda teria atirado em um dos seguranças do carro-forte e levado todo o dinheiro.
Após a prática criminosa os bandidos fugiram em uma Pick-Up Strada 1.8 vermelha, sentido a cidade de Peritoró, ainda em fuga chegaram até o Povoado São Benedito próximo ao Km 17, em Codó.

 

Prefeito de Codó deve aproveitar a crise financeira dos municípios e demitir marajás

C

Foto- Tribuna do Maranhão

O prefeito de Codó, Zito Rolim – PV, bem que poderia aproveitar as palavras da moda “Crise Financeira” como justificativa e demitir os “marajás” ou sanguessugas do erário. Há aproximadamente sete anos um grupo de celebridades tem recebido uma boa fatia do dinheiro público do codoense, sem ao menos pisar na cidade. Se eu for citar aqui os nomes, com certeza, haverá uma enxurrada de ações na justiça para representar contra este Blogueiro, mas a farra é grande: desde padres, pastores e macumbeiros até filhinhos de papaizinho que só pisam na “Cidade de Deus”  apenas nas férias ou no carnaval.

Alguns já estão na mira do Executivo, uns já receberão a surpresa no próximo pagamento, quando for sacar os gordos salários, esperamos que esta ação atinjam: desde o dono de uma granja famosa da cidade até os professores que mesmo contratados, recebem salários há mais de três anos sem pelo menos ter pisado nas escolas onde estão lotados, que pastores evangélicos possam viver dos recursos provenientes das suas igrejas ou de outras atividades lícitas.

Pelo que uma fonte me passou, o prefeito não tem dormido muito bem, pois, vai ter gente grande passando para outro grupo político.

Essa eu pago pra ver!

 

Conheça o Pernambuquês – a linguagem informal do povo pernambucano

Índice

Hoje é quarta-feira e dia de conhecer os termos utilizados pelo Nordeste Brasileiro, começamos pelo Maranhão, passamos pelo Piauí e agora vamos aportar no Pernambuco. Quando você tiver a oportunidade de conhecer esse estado, não fique por fora dos termos utilizados por lá e conheça um pouco do regionalismo do nosso povo nordestino. Curtam:

abestalhado – bobo, besta, pateta
abilolado – “abestalhado”
acochado – apertado (ex: Se aperreie não, doutor. Vou deixar os parafusos da roda do carro bem acochadinhos)
açoite – chicote
a como é – quanto custa (ex: A como é o quilo do tomate, seu Biu? Prá senhora é de graça, freguesa)
afolosado – frouxo, quebrado (ex: Não sente na cadeira, doutor, que ela está afolosada)
alcatifa – carpete
alpercata – sandália de couro
altear – aumentar o volume da TV ou do aparelho de som
amulegar –
pegar, segurar o braço, abraçar
aperreado
– preocupado, com problemas, agoniado
a pulso – à força, na marra (também se usa “na lei do apulso”)
arengar – discutir, brigar
arrasta-pé – forró
arretado(1) – muito bom, excelente, maravilhoso (ex: Êta dicionário arretado)
arretado(2) – irritado, com raiva de algo ou alguém
arribar – sair, ir embora
arrodear – dar a volta (ex: Mãe, o portão de casa está trancado. Arrodeia e entra pelos fundos, menino)
aruá – caramujo de jardim, pessoa muito lerda
avalie só – interjeição equivalente a: imagine só, veja só
avexado – apressado
azuretado – confuso, no mundo da lua
badoque – estilingue, atiradeira
biliro – grampo de cabelo
biscoito/bolacha – atenção, paulistas, vamos esclarecer de vez este quiprocó: biscoitos são “doces”, enquanto bolachas são apenas as “salgadas”, ok?
bombeiro – frentista de posto de gasolina
borocochô – triste
borrão – bloco de rascunhos
bulir – mexer em algo
buliçoso – aquele que gosta de mexer em tudo
caba – homem
cabra
– homem
cafuçú
– trabalhador braçal
cambitos – pernas finas
cangalha – pessoa com as pernas arqueadas
cão chupando manga – o bom, o cara que sabe tudo, o tal, o “tampa de Crush”, o “supra sumo”
carecer – precisar de (ex: Mais bolo, seu Zezinho? Carece não, D.Mariazinha)
catabil – solavanco provocado por buraco
chamegar – namorar, se esfregar no namorado (ex: Tás triste assim por que, mulher? Falta de chamego)
chapoletada – pancada forte (procure não levar uma! 😉 )
cheguei – de corres berrantes, de gosto duvidoso
comer brocha – passar por apuros, por dificuldades (ex: Comi brocha para mudar o pneu do carro)
corôca – lagartixa (no interior de Pernambuco)
cortar jaca – estimular, ajudar o namoro de amigos ou parentes
cotôco – resto ou pedaço
créu – utilizado quando algo é muito difícil (ex.: Eita negócio difícil do créu)
de hoje a oito – de hoje a oito dias, inclusive (ex: Você viaja hoje, Biu? Não, Zé, de hoje a oito)
de jeito maneira – de modo algum
de rosca – algo difícil de ser realizado, duro de sair (ex: E este gol que não sai? Parece que está de rosca)
dor de veado – dor abdominal que dá em quem bebe muito líquido e vai fazer exercício logo depois
diadema – tiara
eita – exclamação
esmolé – mendigo, pedinte
espichar – esticar
esse menino, essa menina
– vocativos (ex: Que horas são, essa menina? Hora de deixar de ser enxerido, esse menino)
estar com a bexiga lixa – estar com o diabo no couro, estar com tudo
estar com a bobônica – igual a estar com a bexiga lixa, só que no interior de Pernambuco
estar com a febre – variação de “estar com a bobônica” (ambos na verdade são corruptelas de “estar com a febre bubônica”, também usado no interior do estado. Mas evite usar esta expressão no Recife: vão pensar que você é “matuto” (do interior))
estar com a macaca – mais uma variação de “estar com a bobônica, com a bexiga lixa”
estar com a moléstia – estar mais do que com a bexiga lixa, estar muito “arretado”
fazer feira – comprar em supermercado (ou na feira, claro..)
fazer o balão
– dar a volta com o carro em um circular
fecheclér – zíper, fecho de calça (vem do francês “fecho ecláir”)
fera – sujeito recém-aprovado no vestibular
filar – olhar a prova dos outros
frango – veado
frisos – enfeites cromados em um carro
frouxo – medroso
fuleiro – de má qualidade (objetos), sem-vergonha (pessoas)
fuxico – fofoca
gabiru – rato grande
galego – pessoa loura ou alourada
gazear – faltar à aula ou ao trabalho
gelo baiano – blocos de concreto pintados de branco usados para separar as vias de trânsito
girador – do trânsito de veículos: circular, rotatória
gréia – azoação (ex: A festa foi a maior gréia)
guaiamum – tipo de caranguejo de casco azulado e carne adoçicada, muito apreciado
guaraná – denominação genérica de qualquer refrigerante (ex: Que guaraná você quer, minha filha? Coca Cola, Mainha)
iapôis – concordância, é mesmo
inhaca – catinga, mau cheiro
invocado – difere no comportamento ou está com raiva
jante – roda do carro
jerimum – abóbora
lanterneiro – funcionário da oficina mecânica que corrige imperfeições na lataria do carro
leseira – abestalhamento, idiotice
leso – bobo
liso – sem dinheiro
loló – mistura de éter e clorofórmio utilizada como entorpecente no carnaval (é proibido e prejudicial à saúde)
macaxeira – variedade comestível de mandioca
malamanhado – mal arrumado
maloqueiro – menino de rua, pivete
mamulengos – bonecos de espetáculos para divertir as crianças (o teatro de mamulengos é o pequeno palco onde os mamulengos se apresentam)
maneiro – coisa leve, que não tem muito peso (ex: Esse pacote está bem maneirinho)
mangar – rir dos outros
marretar – furtar coisas de pouco valor
marreteiro – ladrão vagabundo
massa! – interjeição: muito bom, legal, excelente
matuto – caipira, pessoa do interior
meio-fio – paralelepípedos que separam a calçada da rua
metido a cavalo do cão – metido a besta, sujeito que pensa que é muita coisa sem ser
moringa – vaso de barro onde se armazena água
munganga – palhaçada
muriçoca
– pernilongo
nó cego – problema de difícil solução, sujeito enrolado, complicado
nopró – problema de difícil solução (ex: Já recebeu o dinheiro? Que nada, deu o maior nopró lá no banco)
nos cafundós do Judas – muito longe (variantes: “nos quintos dos infernos”, “onde o vento faz a curva”)
oitão – parte do quintal que dá para os lados da casa
oxe, oxente – interjeições de espanto (corruptelas de “oh, gente!”)
paia – mulher feia, festa desanimada, objeto ruim, de má qualidade
pantim – ficar com frescura
peba
– vagabundo, de má qualidade
pirangueiro – sovina, mão-fechada
peguento – suado, suarento
peitica – sujeito insistente, renitente
perronha – sujeito que joga mal futebol
pichaim – cabelo carapinhas, bastante enrolado
pichete – o mesmo que cabelo “pichaim”
pipoco – estouro
pirangueiro – sujeito pão-duro, avarento
pitó – elastico de cabelo
pitoco – botão de som ou coisa pequena saliente
pixototinha – bem pequenininho
que nem – igual a, tal qual (ex: Se avexe, menino, você hoje está que nem aruá)
queijo – frescura
quenga – mulher sem vergonha ou de programa
relar
– arranhar (ex: Foi passear de tobogã, relou a bunda)
rala-buxo – festa onde se pode dançar, forró
rodagem – estrada (mais usado no interior do estado)
rôlo – confusão
romper o ano – atravessar a festa de ano novo (ex: Onde você vai romper o ano? Em Boa Viagem, é claro!)
roncha – marca de pancada na pele
sarará(1) – formiga pequena, da bunda vermelha
sarará(2) – pessoa de feições negras e cabelo amarelo ou vermelho
sargaço – algas marinhas
se abrir – gargalhar, rir em demasia
segurar a vela – acompanhar um casal de namorados ao restaurante, ao cinema, etc.
sem um tostão furado – sem dinheiro, “liso”
supra sumo – o bom, o maioral, aquele que está acima do “tampa de Crush” e do “cão chupando manga”
tabacudo – bobo, “abestalhado”, abobado, “abilolado”
tamborete de zona – sujeito baixinho
tampa – sujeito bom em algo
tampa de Crush – é o cara que é “muito tampa” (o tipo do sujeito que toma uma Crush quente sem fazer careta)
tirar o cabaço – desvirginar
torar – partir, quebrar
torar um aço – sentir medo intenso, passar por situação de aperto
tabelier – painel do carro
tabica – pão bisnaga
toró – chuva forte
trancilim – corrente com pingente
traquino – menino traquinas, agitado
treloso – “traquino”
trubufu – pessoa feia
um pé lá, outro cá – ir e voltar rapidamente
virado no molho de coentro – estar com tudo e não dever nada a ninguém, ser capaz das maiores realizações
vôte! – interjeição de espanto (corruptela de “vou-te, homem!” mais usada no interior do estado)
xêxo – pedrinha redonda
xôxo – bem franzino ou pequeno
zambeta – de pernas tortas
zarolho – vesgo, que tem os olhos trocados
zoada – barulho, confusão (ex: Que zoada é essa? É o trio elétrico passando)
zona(1) – local do baixo meretrício
zona(2) – bagunça, confusão (ex: Joãozinho, vá arrumar o seu quarto, que está a maior zona)

Ser pernambucano é…

  • Considerar Reginaldo Rossi Rei
  • Acreditar que a Recife é mesmo a ‘Veneza Brasileira
  • Defender o frevo, mas não fazer um passo sequer (apenas ‘dançar com os dedos’)
  • Amar as pontes do Recife sem conhecer o nome de uma apenas
  • Preferir botecos a fast-food
  • Gostar de qualquer música que fale de sertão, mangue, etc.
  • Gostar de comer caranguejo
  • Saber o significado das palavras ‘pirangueiro’,’pantim’ e ‘mangar’
  • Ter orgulho de dizer que o sonho de todo cearense é ser pernambucano
  • Adorar bolo-de-rolo e suco de pitanga
  • Ir ao Alto da Sé em Olinda apenas para ver Recife ao longe e comer tapioca
  • Correr no Parque da Jaqueira e depois se empanturrar de caldo de cana na saída
  • Jantar olhando para a lua incrivelmente linda na praia de Boa Viagem
  • Achar que Recife seria melhor se os holandeses tivessem permanecido
  • Admirar Mauricio de Nassau mesmo sabendo pouco sobre ele
  • Conhecer a estória de Biu do Olho Verde e da Perna Cabeluda
  • Freqüentar a praia em frente ao Acaiaca
  • Tomar água de coco na praia
  • Ficar dividido entre a beleza de Porto de Galinhas e Itamaracá
  • Ter saudade da Livro 7
  • Saber distinguir entre o Maracatu do Baque Solto do Maracatu do Baque Virado
  • Conhecer as músicas de Alceu Valença, Geraldinho Azevedo e Lenine
  • Achar que você pode tirar uma pessoa de Pernambuco, mas que nunca poderá tirar Pernambuco de alguém que nasceu ou já viveu lá (sim, eles se tornam pernambucanos de coração!)!

Fonte: www.aisa.com.br

 

Exercícios musculares podem reduzir a frequência e altura do ronco

Pesquisadores do Laboratório do Sono, do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, desenvolveram uma técnica para reduzir a frequência e a altura do ronco até que ele se torne imperceptível em alguns casos. A aplicação também ajuda no tratamento da apneia do sono de grau leve e moderado, porque resulta na diminuição do número de engasgos à noite.

A técnica consiste em uma série de seis exercícios para fortalecer os músculos envolvidos na produção do ronco e na apneia do sono obstrutiva. Os exercícios devem ser feitos três vezes ao dia por oito minutos e incorporados às atividades corriqueiras do indivíduo.

A fonoaudióloga Vanessa Ieto explicou que os exercícios ajudam a melhorar a flacidez na musculatura da língua, fim do céu da boca e a úvula (conhecida como campainha). O estudo foi publicado na revista acadêmica Chest.

“Todos os pacientes que participaram da pesquisa fizeram seis exercícios durante três meses, mas para ser eficaz é preciso ter o diagnóstico correto, a avaliação de fonoaudiólogo especializado, orientação do profissional e o acompanhamento durante os exercícios para não fazer nenhum movimento errado e não surtir efeito”.

O diretor do Laboratório do Sono do Incor, Geraldo Lorenzi Filho, destacou que o ronco é muito mais comum do que se pensa e é causado por uma vibração da musculatura da garganta quando o ar passa. Ele ocorre quando dormimos, relaxamos a musculatura e a passagem para o ar na faringe é muito estreita. “O ronco pode parecer uma coisa boba, mas incomoda muito e ficar roncando todas as noites pode deixar a musculatura mais flácida e, no futuro, causar apneia”.

Segundo Lorenzi, na cidade de São Paulo, um a cada três indivíduos tem algum grau de ronco variável (30% com relação ao número de roncos por hora na noite e 60% com relação à intensidade ou volume). No caso dos roncos mais leves, o tratamento é perder peso, dormir de lado, não beber álcool ou tomar sedativos durante a noite, desobstruir o nariz. “Entre as causas do ronco estão a garganta estreita, a obesidade, mandíbula afastada para trás. Estudamos muito a relação da apneia do sono com a doença cardíaca. Com a idade, o ronco também aumenta. Nos casos de apneia grave, aumenta o risco de pressão alta, arritmia, diabetes, alterações de arteriosclerose”.

O aposentado Nelson Ieto, de 65 anos, contou que aos 35 teve um infarto e decidiu mudar sua vida. Parou de fumar e beber e adotou práticas mais saudáveis no seu cotidiano. Mais tarde, sua filha se formou em fonoaudiologia, o que trouxe a ele o interesse no assunto. Como ele roncava demais, a indicação foi a de fazer a polissonografia, o que o fez descobrir que tinha apneia do sono.

“Há dois anos, faço os exercícios de fono, além dos meus exercícios diários normais. Mudou totalmente minha vida. Minha esposa percebeu que parei de roncar e eu durmo mais tranquilo”.

Marisa Curi tem 56 anos, trabalha no setor de administração de uma empresa e, diariamente, levantava da cama cansada e sentia indisposição e sono durante todo o dia. O marido reclamava de seu ronco e, por ter problemas respiratórios, ela resolveu procurar um profissional e fazer a polissonografia, que também detectou uma apneia do sono moderada.

“Eu já fazia o tratamento da asma, mas como não melhorava fui encaminhada para um médico do sono, quando fui convidada a fazer parte do projeto dos exercícios. No começo, eram só exercícios de respiração e eu achava que não ia fazer diferença, mas depois que passei a exercitar a musculatura mudou muito. Não acordo mais no meio da noite sufocada, a qualidade do sono melhorou, consigo dormir a noite toda, fico mais disposta”, disse.

Fonte: uol.com