Planalto tenta se afastar de crise causada por pedidos de prisão da PGR

Vista do Palácio do Planalto em Brasília. 12/5/2016.   REUTERS/Paulo Whitaker

Em meio ao turbilhão causado pelas informações de que a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu a prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros, do senador Romero Jucá, do ex-presidente José Sarney e do presidente afastado da Câmara, deputado Eduardo Cunha, o Palácio do Planalto tenta se isolar da crise e passar a ideia de que o governo interino de Michel Temer não será afetado.

“De uma certa forma é bom que o foco tenha saído do Planalto. A crise agora está lá do outro lado da rua”, afirmou uma fonte palaciana, negando que o presidente interino tenha conversado com Jucá, Renan ou Sarney. “O governo reagiu mostrando que não está parado”, disse.

Essa foi a razão por trás da decisão de última hora do presidente interino de participar de uma reunião de ministros sobre o andamento de questões sobre a Olimpíada do Rio. Temer chegou ao final, falou aos ministros por cinco minutos e anunciou que iria visitar o Parque Olímpico, no Rio de Janeiro, na semana que vem.

Ainda assim, a palavra que define o clima no Planalto é expectativa sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em relação aos pedidos da PGR e sobre o que mais poderá vir na esteira desses pedidos.

Mesmo que se tente vender a ideia de que o problema não está mais dentro do governo, já que Jucá e o outro ministro envolvido diretamente na tentativa de burlar a operação Lava Jato –Fabiano Silveira, da Transparência– já deixaram os cargos, fontes reconhecem que a situação é grave e não se sabe o que mais pode vir por aí.

“É claro que a situação é grave. Não afeta o governo, afeta o país, afeta a sociedade. Ninguém do governo está na lista. Mas como fica o país com um presidente do Senado preso, o presidente da Câmara preso”, disse uma alta fonte do Palácio do Planalto. Não se sabe, lembrou a fonte, o que embasou o pedido de prisão apresentado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

“São só as gravações? Tem mais coisas?”, disse.

A informação de que Janot pediu a prisão de membros da cúpula do PMDB foi divulgada na edição desta terça-feira do jornal O Globo. Procurados pela Reuters, nem o STF nem a PGR confirmaram o conteúdo do pedido. Os implicados, no entanto, manifestaram inconformismo com o episódio e criticaram a decisão do procurador.

Oficialmente, o Planalto não se manifestou, e os ministros que chegaram a falar do assunto mantiveram uma distância regulamentar, evitando atrair a crise para o Planalto.

“Só quem pode responder é doutor Janot. Ele sabe por que fez o que fez. O que ele escreveu, o que ele pediu, ninguém sabe”, disse o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

PARALISIA

Existe uma preocupação de que a crise, especialmente se os mandados de prisão forem concedidos, cause uma nova paralisia no Congresso e afete a agenda do Planalto, mas uma das fontes do Planalto insiste que é possível continuar trabalhando.

“Mesmo que Renan saia, as votações vão continuar”, disse uma das fontes, afirmando não acreditar que o primeiro-vice-presidente, Jorge Vianna (PT-AC), vá querer “assumir o ônus” de paralisar as reformas econômicas, mesmo sendo da oposição.

Para mostrar que não está sendo afetado pela crise, Temer vai acelerar a agenda nesta e na próxima semana, inclusive com viagens pelo país. Nesta quarta-feira, receberá empresários trazidos pelo presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) para conversar sobre a retomada do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, e mudanças nas agências reguladoras.

O governo discute reforço financeiro e técnico para as agências, dando prioridade a funcionários de carreira para as diretorias.

Na quinta-feira, Temer recebe os governadores para tratar da dívida dos Estados. A intenção inicial era transformar a reunião no momento de anúncio de um acordo, mas ainda não houve acerto, especialmente em relação ao prazo de carência de dois anos pedido pelos governos estaduais.

Na próxima semana, o presidente interino fará suas duas primeiras viagens desde que assumiu o cargo. Além do Rio de Janeiro, na terça-feira, irá a Arapiraca (AL), para anunciar a renegociação da dívida de agricultores familiares, e Floresta (PE), onde visitará a obra de transposição do rio São Francisco.

Fonte: Agência Reuters

 

Lewandowski nega pedido para que delação de Sérgio Machado faça parte da defesa de Dilma

O presidente do Supremo Tribunal Federal e do processo de impeachment no Senado Federal, ministro Ricardo Lewandowski, negou nesta terça-feira (7) o pedido apresentado pela defesa da presidente afastada Dilma Rousseff para que os autos e as gravações do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado em delação premiada fizessem parte do processo em análise na Comissão Especial do Impeachment. O ministro alegou que esse material ainda está sob sigilo, conforme previsto no artigo 7º da Lei 12.850/2013.

Os defensores de Dilma Rousseff alegam que as gravações mostram que o processo de impeachment representa um “verdadeiro desvio de poder” e que o não acesso a esse material violaria o direito à ampla defesa.

Lewandowski também foi contrário ao protesto apresentado pela defesa contra a decisão da comissão de não conceder vista prévia aos requerimentos formulados pelos senadores. De acordo com o presidente do STF, ele não tem o que deliberar sobre a questão, uma vez que não foi formulado nenhum requerimento de reforma das decisões da comissão.

Outro recurso negado foi o apresentado pelo senador José Pimentel (PT-CE) que pedia que o prazo para as alegações finais fosse de 15 dias para a defesa e igual período para a acusação e não cinco para cada como decidido pela comissão na semana passada. Lewandowski ressaltou que a própria comissão já decidiu pelos 15 dias, conforme anunciado pelo presidente do grupo de trabalho, Raimundo Lira (PMDB-PB), na tarde desta segunda (6).

Fonte : Agência Senado

Operação Canna-Bis combate tráfico de drogas em São Paulo

Operação Canna-Bis combate tráfico de drogas em São Paulo

A Polícia Federal, em conjunto com a Polícia Civil e a Militar, deflagrou hoje (7/6) a Operação Canna-Bis, para combater o tráfico de drogas, em Jales e outras oito cidades.

Mais de 160 policiais entre federais, civis e militares deram cumprimento a 22 mandados de prisão e a outros 34 mandados de busca e apreensão, nas cidades de Jales, Urânia, Fernandópolis, Mirassol, Bálsamo, Macedônia, Paranapuã, Ilha Solteira/SP e Três Lagoas/MS. Todas as medidas judiciais foram expedidas pela Justiça Estadual de Jales/SP.

Durante as investigações, foram apreendidos mais de 230 kg de drogas, armas e dinheiro. Foram realizadas mais 19, e alguns dos investigados já estavam presos.

As investigações foram conduzidas em operações distintas pela Polícia Federal e Polícia Civil de Jales/SP.  Alguns fornecedores das drogas também foram identificados em Três Lagoas/MS, Ilha Solteira e Bálsamo/SP.

Diversos distribuidores comercializavam as drogas em Jales e região. As investigações continuarão com o objetivo de prender outros envolvidos com o tráfico de drogas na região.

Os investigados poderão responder pelos crimes de tráfico e associação para o tráfico de drogas com penas que podem chegar a 25 anos de prisão. Os presos serão conduzidos à Polícia Federal e à Polícia Civil de Jales para serem ouvidos e posteriormente transferidos à cadeia local onde permanecerão à disposição da Justiça Estadual.

Comunicação Social da Polícia Federal em Jales/SP

Sampaio perde fora de casa e segue na lanterna

O Sampaio foi derrotado em Maceió. Jogando no estádio Rei Pelé, a equipe Tricolor até saiu na frente, mas viu o CRB virar o marcador e segue sem vencer na competição.

O CRB ensaiou uma tímida pressão no início da partida, que resultou em único chute antes dos dez minutos, mas a bola passou rente à trave.

Sampaio sofreu derrota em Maceió (Foto: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas)

Sampaio sofreu derrota em Maceió (Foto: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas)

Em seu primeiro ataque mais agudo, Pimentinha armou pela esquerda e mandou na área, o zagueiro armou a raquete na frente do árbitro. Pênalti. Léo Gago bateu forte, no alto, e abriu o placar para o Sampaio.

Os donos da casa ameaçaram via aérea e chegaram ao empate com uma cabeçada certeira de Lúcio Maranhão.

Léo Gago quase colocou o Sampaio em vantagem novamente com um míssil de fora da área. O goleiro do CRB desviou para escanteio. Foi o que ficou reservado para os primeiros 45 minutos.

A segunda etapa mal começou e Max quase marca, após limpar a defesa e bater forte, rasteiro. A bola raspou a trave.

Bem postado em campo, o Sampaio cercava o CRB e articulava o momento certo para dar o bote, mas o gol não saia. O castigo veio novamente pelo alto. O time alagoano virou o placar.

Com a expulsão de Lucena, o Tricolor ainda se desdobrou em campo para empatar, mas o 2×1 ficou marcado no placar.

A delegação do Sampaio retorna na quarta à noite para São Luís e se reapresenta na quinta no CT José Carlos Macieira.

Ficha Tricolor

Rodrigo Ramos, Lucena, Rodrigo Arroz, Wagner Fogolari e Rafael Estevam; Renan Ribeiro, Diego Lorenzi, Daniel Barros e Léo Gago (Cleitinho); Pimentinha (Jean Carlos) e Max (Willian Paulista).

Fonte: Site Oficial do Clube

Comissão de Impeachment aprova cronograma e ouve primeiras testemunhas quarta

A Comissão Especial do Impeachment marcou para quarta-feira (8), às 11h, os primeiros depoimentos de testemunhas. A ideia é que sejam ouvidos o procurador do Tribunal de Contas da União (TCU), Júlio Marcelo de Oliveira e o auditor do Tribunal de Contas da União Antonio Carlos Costa d’Ávila Carvalho – testemunhas pedidas pela acusação. Além disso, há quatro testemunhas propostas pelos senadores: Rogério Jesus Alves Oliveira, Adriano Pereira de Paula, Otávio de Medeiros e Jânio Macedo. Os três primeiros são do quadro de operação de crédito da Secretaria do Tesouro Nacional e Jânio Macedo é ex-diretor do Banco do Brasil.

Os depoimentos foram agendados depois que os senadores aprovaram, nesta segunda-feira (6) o cronograma de trabalho proposto pelo relator, Antonio Anastasia (PSDB-MG).

Com isso, até 17 de junho estão previstos depoimentos de testemunhas e a juntada de documentos. No dia 20 de junho seria o interrogatório de Dilma Rousseff (mas ela não é obrigada a comparecer). De 21 de junho a cinco de julho seria o período para a apresentação das alegações escritas dos denunciantes e de 6 a 21 de julho, as da denunciada. O relatório seria lido na comissão em 25 de julho e votado em 27 do mês que vem. O parecer desta fase do processo (de pronúncia) seria votado no Plenário do Senado nos dias 1º e 2 de agosto.

Esse calendário pode, no entanto, sofrer alterações a depender de quantas testemunhas de defesa serão ouvidas. Os defensores da presidente Dilma Rousseff querem que sejam 40 ouvidos, oito para cada uma das denúncias – quatro decretos de suplementação orçamentária sem anuência do Congresso e as chamadas “pedaladas fiscais”. O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) entrou com um recurso no Supremo Tribunal Federal para que o processo se resuma a dois fatos: os quatro decretos em bloco e as pedaladas. Aí seriam até 16 testemunhas.

Mudanças

O presidente da Comissão Especial do Impeachment, Raimundo Lira (PMDB-PB), anunciou nesta segunda-feira que o prazo para as alegações finais da defesa e da acusação será de 15 dias cada e não mais cinco, conforme aprovado anteriormente. Anteriormente ele havia decidido a redução de prazo em decorrência de um recurso apresentado pela senadora Simone Tebet (PMDB-MS). Lira afirmou que apesar de o texto atual do Código do Processo Penal prever o período mais curto, ele achou melhor seguir o mesmo rito do processo de impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello, em 1992.

— Não podemos aceitar qualquer tipo de pressão, porque isso desvirtuaria o trabalho e o bom funcionamento da nossa comissão. E não estamos aqui desejando o açodamento neste julgamento. Muito pelo contrário; tenho buscado exercer com equilíbrio e justiça o papel que me foi conferido pelos demais membros da comissão — explicou Lira.

Fonte: Agência Senado de Notícias

OAB afirma que irá pedir destituição do presidente da Anatel

Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil foi ouvido, nesta segunda-feira, pelos integrantes do Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) vai pedir a destituição do atual presidente da Anatel, Agência Nacional de Telecomunicações, João Batista de Rezende.

Alex Ferreira / Câmara dos Deputados
Reunião Ordinária. Presidente do Conselho Federal da OAB, Claudio Lamachia
Lamachia: internet fixa vai contra uma tendência mundial, já que sete em cada dez países não restringem o uso da internet

A decisão foi anunciada nesta segunda-feira (6) pelo presidente da instituição, Claudio Lamachia, durante reunião do Conselho de Comunicação Social (CCS) do Congresso Nacional, que debateu a possibilidade de permitir que as operadoras de telefonia limitem o uso da internet fixa, levantada pelo presidente da Anatel.

Para Lamachia, a medida é inaceitável e vai contra a decisão uma tendência mundial. Ele citou dados da União Internacional de Telecomunicações, que apontam que 70% dos países não limitam a internet.

O presidente da OAB destacou que apenas três entre os dez países mais desenvolvidos do mundo restringem o uso da internet.

Por isso, afirmou que vai entrar com representação junto à Presidência da República e ao Ministério das Comunicações, pedindo o afastamento do presidente da Anatel, que tem mandato até o final de 2018, por entender que ele não está defendendo os direitos dos cidadãos.

“Uma das maiores responsáveis por tudo isso que nós estamos vivendo hoje, toda a falta de investimento na internet, é exatamente a Anatel, agência reguladora que deveria regular o mercado e não regula. Que deveria agir de forma direta e coerente mas, muitas vezes, age como se fosse um sindicato a serviço de empresas de telecomunicação”, criticou.

O presidente do Conselho de Comunicação Social do Congresso, Miguel Ângelo Cançado, informou que vai chamar o presidente da Anatel para fazer o contraditório, mas ainda não há data para que isso aconteça.

Fundos de telecomunicações
Outro ponto de destaque da reunião do Conselho de Comunicação Social foi o anúncio do presidente da OAB de que vai pedir para a Justiça obrigar a União a utilizar corretamente o dinheiro dos fundos de Universalização dos Serviços de Telecomunicação (Fust), de Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel) e de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel).

Lamachia afirmou que levantamentos do Tribunal de Contas da União (TCU) apontam que em média apenas 10% dos recursos foram usados e que houve diversos desvios de finalidade, como em revitalização de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). Ele destacou que o valor total dos investimentos nem chega a ser conhecido.

Como exemplo, citou que o Fistel, segundo a Secretaria do Tesouro Nacional, teria arrecadado mais de R$ 82 bilhões entre 1997 e 2015. No entanto, pelas contas da Anatel, o total arrecadado seria menor, da ordem de mais de R$ 67 bilhões.

Mau uso
Os conselheiros também criticaram a forma como esse dinheiro vem sendo gerenciado pelo governo. “Me chama muita atenção esse tema do mau uso, do não uso e do desvio dos recursos públicos. Tendo saído do bolso do cidadão, rico ou pobre, esses recursos nunca chegarão ao seu destino previsto”, apontou o representante das empresas de rádio no conselho, Walter Ceneviva.

EBC
O Conselho de Comunicação Social também decidiu que vai fazer um seminário em agosto sobre a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que está em meio a uma polêmica sobre quem deve estar à frente da empresa.

O presidente interino da República, Michel Temer, trocou o comando da EBC assim que assumiu o cargo, mas a decisão foi suspensa temporariamente pelo Supremo Tribunal Federal (STF), até que o caso seja julgado pelo tribunal. O presidente da EBC, por lei, tem mandato de quatro anos. O STF deve decidir se o presidente da empresa pode ou não ser trocado pelo presidente da República antes desse prazo.

Foi debatida ainda a possibilidade de o Conselho de Comunicação Social de emitir uma nota, com o objetivo de demonstrar apreensão sobre um “possível desmonte da EBC” e ratificar a importância de manter a empresa como um veículo público de comunicação e não estatal. A iniciativa, no entanto, foi derrotada por 5 votos a 4.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Prouni – Programa oferece em novo processo seletivo mais de 125 mil bolsas em 901 instituições, inscrições começam hoje

 O ProUni oferece bolsas em universidades particulares de todo o país (Foto: João Bittar/Arquivo MEC) O segundo processo seletivo de 2016 do Programa Universidade para Todos (ProUni) terá 125.442 bolsas ofertadas em 22.967 cursos de 901 instituições de ensino superior. A oferta supera a do mesmo período do ano passado, que teve 115.101 bolsas. As inscrições terão início a partir de hoje, 7, e se estenderão até as 23h59 de quinta-feira, 10. O resultado da primeira chamada será divulgado no dia 13 deste mês.

Das 125.442 bolsas disponíveis: 57.092 são integrais e 68.350 parciais. São Paulo é o estado com maior número de bolsas ofertadas, com 34.725, seguido de Minas Gerais, 12.004, e o Distrito Federal, que tem 9.182. Os cursos de administração, com 12.500 vagas, Direito, 8.561, e pedagogia, 7.139, são os que oferecem mais vagas. Além disso, os cursos de engenharia somados têm 14.410 vagas.

O ProUni oferece bolsas de estudos integrais e parciais em instituições particulares de educação superior que mantenham cursos de graduação e sequenciais de formação específica. Criado em 2004, o programa é dirigido tanto aos estudantes egressos do ensino médio da rede pública, quanto àqueles que tenham vindo da rede particular na condição de bolsistas integrais, com renda familiar per capita máxima de três salários mínimos.

Para se inscrever na segunda edição de 2016, o candidato deve ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2015 e obtido no mínimo 450 pontos na média das notas. Além disso, não pode ter tirado nota zero na redação. No momento da inscrição, será necessário informar o número de inscrição e a senha usados no Enem.

Assessoria de Comunicação Social

MPCE ajuíza ação de improbidade administrativa contra ex-prefeito de Juazeiro do Norte, empresário e juiz aposentado

Logomarca do MPCEO Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) ajuizou nesta segunda-feira (06/06) uma Ação Civil Pública (ACP) por ato de improbidade administrativa contra o ex-prefeito do município de Juazeiro do Norte, Manoel Raimundo de Santana Neto, o empresário Sílvio Rui Costa Almeida, a empresa Sílvio Rui Empreendimentos Imobiliários LTDA e o juiz aposentado Demétrio de Sousa Pereira, acusados de cometer fraudes e causar prejuízos ao município de Juazeiro do Norte em mais de R$ 3 milhões. A ação, assinada pelos promotores de Justiça Aureliano Rebouças Júnior, Francisco das Chagas da Silva e José Silderlandio do Nascimento, investiga uma permuta de imóveis realizada no município.

O MPCE instaurou Inquérito Civil Público e constatou que o ex-prefeito Manoel Raimundo de Santana Neto e o empresário Sílvio Rui Costa Almeida realizaram em julho de 2011 uma permuta de imóveis, entre bens do município, áreas verdes e áreas institucionais dos loteamentos Califórnia, Jardim Gonzaga e Lagoa Ville, no total de 60.077,72m², avaliados em R$ 3.699.322,56, por uma área de terra no Sítio Chumbada registrado em nome da empresa Silvio Rui Empreendimentos Imobiliários LTDA, avaliada em R$15 mil, gerando prejuízo ao erário.

Além de violar a legislação que proíbe a doação ou a permuta das áreas verdes e institucionais do município que são destinadas à preservação do meio ambiente e à construção de praças, ginásio de esportes, escolas, postos de saúde, o ex-prefeito justificou a edição da lei autorizativa da permuta (3.821/2011) alegando que a área de terras do Sítio Chumbada seria adquirida para construir casas populares. Os promotores de Justiça ressaltam que não foi construída nenhuma unidade residencial para a população carente, deixando claro o ajuste fraudulento foi realizado para dilapidar o patrimônio público e para favorecer o enriquecimento ilícito dos envolvidos. “Chama a atenção que o Sítio Chumbada, envolvido na permuta, foi adquirido pela empresa Sílvio Rui Empreendimentos Imobiliários LTDA dias antes da aprovação da lei”, acrescentam.

De acordo com o que foi apurado pelo MPCE, o juiz à época dos fatos, Demétrio de Sousa Pereira, participou da transação descumprindo deveres funcionais, conforme relatório da Corregedoria do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE), revogando, nas férias do juiz titular, a decisão que havia suspendido os efeitos da permuta nos autos de ação popular, determinando e concretizando o ato com a lavratura da escritura pública de permuta em julho de 2011. O TJCE apurou a conduta do magistrado em alguns processos e aplicou a ele penalidade de aposentadoria. Além disso, encaminhou cópia do procedimento administrativo disciplinar ao MPCE para adoção das providências cabíveis.

Na ação, o MPCE constatou que a conduta dos envolvidos configura ato de improbidade administrativa previstos na lei Nº 8.429/92, pois causa enriquecimento ilícito, prejuízo ao erário e ofensa aos princípios da administração pública. O órgão pede a quebra do sigilo bancário e fiscal e a indisponibilidade de bens dos envolvidos, bem como a perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, ressarcimento integral do dano causado, suspensão dos direitos políticos de oito a dez anos, pagamento de multa civil de até três vezes o valor do acréscimo patrimonial e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de dez anos, bem como a perda do cargo com a consequente cassação dos proventos da aposentadoria do magistrado aposentado Demétrio de Souza Pereira.

Fonte: Ministério Público do Ceará

Cúpula da Segurança Pública participa de aula inaugural do Curso de Operações Táticas Especiais –COTE

IMG-20160602-WA0044

No final da última semana, representantes da pasta da segurança pública do estado do Maranhão, se fizeram presentes na aula inaugural do Curso de Operações Táticas Especiais (COTE), que ocorreu na parte externa da Academia da Policia Civil (ACADEPOL), em São Luís. Visando a formação de matéria em termos de mão de obra operacional da segurança

Tendo como simbologia a força, a velocidade e a precisão, o COTE, priorizam bem suas fundamentais e importantes funções no combate à formação e ação das organizações criminosas do estado. Contando com a coordenação do delegado André Gossain, o curso abrange, como base operacional, o Grupo de Resposta Tática (GRT) que é voltado para ações especificas como antissequestro técnicas de manipulação com explosivos  e combates semelhantes aos de guerra, além de integrar a Superintendência  Estadual de Investigação Criminal (SEIC).

Essa será a quinta turma do Curso de Operações Táticas Especiais, que contará com 40 alunos das Policias Militar e Civil do Maranhão e de outros estados do país. Dentro da programação do curso estarão incluídos a experiência de sobrevivência em mata fechada e testes de resistência no ar e em alto mar. A capacitação será de 17 dias.

IMG-20160602-WA0043

Durante a cerimônia de aula inaugural, o Delegado-Geral da Polícia Civil Lawrence Melo, frisou a importância da formação de novas turmas do COTE para somar esforços no intuito de combater aqueles que agem na contramão da lei. Ainda destacou a disponibilidade que a Policia Civil, junto a Secretaria de Segurança Pública em alcançar os interesses de tal curso.

“ A quinta turma do Cote tem o propósito de melhorar, qualificar, transmitindo e renovando o conhecimento do ponto de vista operacional para o policial civil .Os alunos do COTE  eles passarão a integrar o Grupo de Resposta Tática(GRT),que tem como missão o combate à organização criminosa que utiliza arma de guerra”,disse Lawrence Melo,delegado –geral de Polícia Civil do Maranhão

Estiveram ainda presentes no evento, o Comandante – Geral da Polícia Militar do Maranhão , Coronel Pereira ;o Superintendente da SEIC , Tiago Bardal ; a Delegada Adjunta da Delegacia Geral da Polícia Civil , Adriana Amarante ;o Corregedor –Geral do Sistema de Segurança Pública ,Fernando Moura de Lima ;o representante da Academia da Polícia Civil do Maranhão , Cristiano Fontenelle , além de outras autoridades do sistema de segurança pública.

 Anselmo Oliveira – Ascom SSP

Michael Bisping choca Rockhold e é o novo campeão do UFC

Foto: Erik Engelhart

 Michael Bisping é o novo campeão do UFC. Após 10 anos atrás do título, o inglês conseguiu uma oportunidade no UFC 199 e chocou Luke Rockhold ao nocautear o ex-campeão com uma mão esquerda. O fim veio no primeiro round e o próprio novo campeão mostrou uma expressão chocada:

– Preciso ser humilde aqui. Estou imensamente feliz. Sou um cara normal, médio. Mas esse é o meu sonho. Com duas semanas, dois dias, duas horas, eu venho e luto e fui recompensado por isso.

Com o triunfo, Bisping se igualou a Georges St. Pierre como maiores vencedores da história do Ultimate: ambos têm 19 triunfos no octógono. O inglês se tornou o oitavo campeão peso-médio do UFC: dois de seus antecessores são brasileiros, Murilo Bustamante e Anderson Silva.

Se um campeão perdeu sua coroa, outro a manteve. Em uma luta de puro domínio, Dominick Cruz anulou o jogo do rival Urijah Faber por cinco rounds, com dois knockdowns, e se manteve invencível como peso-galo. Agora são 12 vitórias seguidas para o “Dominador”.

– É muito bom estar voltando a competir. Por um tempo (durante seu hiato por conta de lesão), achei que nunca mais teria isso para mim. Acreditem em vocês.

O card preliminar foi ótimo para os brasileiros. Nas duas lutas envolvendo brazucas, vitórias por nocaute para Henrique Frankenstein e Jéssica Andrade sobre Jonathan Wilson e Jessica Penne, respectivamente.

Mas os destaques foram a luta protagonizada por Polo Reyes e Dong Hyun Kim e os nocautes de Brian Ortega (que apagou Clay Guida com uma joelhada a 20 segundos do fim de uma luta que estava perdendo) e de Beneil Dariush (uma sequência incrível de socos que tirou a invencibilidade de James Vick).
No card principal, mais nocautes. Dustin Poirier abriu os trabalhos com uma excelente vitória diante do perigoso Bobby Green. Já o lendário Dan Henderson se recuperou de um quase nocaute para apagar Hector Lombard com uma cotovelada na têmpora do cubano. Após a luta, Hendo praticamente confirmou sua aposentadoria.

Ricardo Lamas e Max Holloway fizeram uma luta à altura do topo da categoria dos penas. Melhor para o havaiano Holloway que usou seu jogo em pé mais polido para vencer e avançar rumo a uma luta pelo cinturão.

Resultados do UFC 199
Michael Bisping (C) venceu Luke Rockhold por nocaute técnico
Dominick Cruz (C) venceu Urijah Faber por decisão unânime
Max Holloway venceu Ricardo Lamas por decisão unânime
Dan Henderson venceu Hector Lombard por nocaute
Dustin Poirier venceu Bobby Green por nocaute

Brian Ortega venceu Clay Guida por nocaute
Beneil Dariush venceu James Vick por nocaute
Jéssica Andrade venceu Jessica Penne por nocaute técnico
Alex Caceres venceu Cole Miller por decisão unânime
Sean Strickland venceu Tom Breese por decisão dividida
Henrique Frankenstein venceu Jonathan Wilson por nocaute técnico
Kevin Casey e Elvis Mutapcic empataram
Marco Polo Reyes venceu Dong Hyun Kim por nocaute