Prefeito Francisco Nagib será acionado pela Procuradoria Geral de Justiça para explicar sobre contratos “em tese” suspeitos

O prefeito de Codó-MA, Francisco Nagib (PDT) deverá dar explicações à Procuradoria Geral de Justiça do Maranhão, a respeito de supostos contratos suspeitos firmados entre a Prefeitura de Codó e a Empresa Gerenciar Limpeza e Apoio Administrativo.

De acordo com o que foi publicado na semana passada, pelo portal Atual 7, foi instaurado um procedimento investigatório criminal para apurar as possíveis irregularidades na contratação da Gerenciar.

O caso estará sob as responsabilidades de dois Promotores de Justiça: Cláudio Rebêlo Correia Alencar e Marcos Valentim Pinheiro Paixão, por delegação do procurador-geral de Justiça Luiz Gonzaga Martins Coelho.

Foram fechados três contratos e todos sendo alvo da investigação na gestão do prefeito Francisco Nagib, em 2017, e que envolvem recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e do Fundo Municipal de Saúde (FMS).

Desde que tomamos conhecimento da terceirização dos serviços administrativos e de limpeza pela prefeitura de Codó e Gerenciar, passamos a ver a situação com olhares mais criteriosos, pois por onde passa, a Gerenciar deixa um rastro de ações trabalhistas, por má gestão na questão dos direitos trabalhistas. Mas os problemas estão apenas começando.

A própria Gerenciar nunca assinou as Carteiras de Trabalho de seus funcionários contratados em Codó e agora, está pressionando todos a apresentarem suas Carteiras para só agora serem feitos todos os procedimentos administrativos. E agora com a Reforma da Previdência, muitos correrão o risco de perder todo o período em que trabalharam para essa empresa que tolhe os direitos de seus funcionários.

Com a palavra, prefeito Francisco Nagib.

 

4 pensou em “Prefeito Francisco Nagib será acionado pela Procuradoria Geral de Justiça para explicar sobre contratos “em tese” suspeitos

  1. E os professores seletivados com um seletivo que nunca pagou 13º salario, nunca durou um ano pois se começa em fevereiro e termina em dezembro faça as contas, e a câmara municipal aprovou um seletivo onde o professor não tem nenhum direito , peça o contrato na prefeitura pra você ver o que tem no contrato, ai cade a justiça trabalhista, nunca recebemos nenhum direito, esses contratos desrespeita o trabalho do professor , ninguém ver isso . Na verdade não é seletivo é um faz de conta.

  2. Sem falar na desvalorização do contratados. Onde o salário mínimo nunca foi reajustado. Já estão com três anos recebendo o mesmo valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.