Nível do Rio Itapecuru baixa, mas autoridades mantém alerta com o risco de novas chuvas

prainha

Uma boa notícia veio no momento em que todas atenções estavam voltadas para as fortes e constantes chuvas que caíram e foram acolhidas pelo Rio Itapecuru, principal rio perene do Maranhão. Desde o inicio do processo de estabelecimento de moradias às suas margens, iniciou se também uma preocupação sobre os riscos periódicos de cheias e alagamentos de casas e ainda ruas das cidades  em que as águas caudalosas do Itapecuru em que passam.

Semana passada, muitas famílias codoenses que vivem às margens do Itapecuru, tiveram as casas alagadas e tiveram de receber ajuda de familiares e também da prefeitura. Ginásios e escolas chegaram a ser ocupadas para acolher os alagados.

Com a chegada do fim do mês de abril, renovam se as esperanças para que as chuvas cessem um pouco e que as famílias desabrigadas possam retornarem aos seus lares.

Vejo com uma cera tristeza o fato de algumas famílias estarem passando com a condição de alagados, pois várias dessas receberam casas do Programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal tendo a oportunidade de saírem a zona de risco de alagamentos, mas a sua maioria venderam seus imóveis e retornaram para as mesmas condições ribeirinhas.

 

Vítima do álcool – Jovem passa quase uma hora esperando a chegada de uma ambulância do SAMU de Codó

praça

Tendo um quantitativo mínimo de ambulâncias e com uma frota muito desgastada, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU de Codó possui grandes dificuldades para atender à demanda da cidade, como se não bastasse, os grandes eventos de concentração de massa realizados pela prefeitura de Codó não vem ofertando um serviço de qualidade e atendendo às exigências da Lei.

De acordo com a legislação, os eventos de concentração de massa como por exemplo, carnaval, festa junina e aniversário da cidade não podem ser iniciados sem uma equipe de atendimento médico no local, mas não é isso que vem acontecendo. Pessoas estão sendo tratadas como objetos e ficando a mercê da própria sorte quando precisam de atendimento ágil e um deslocamento imediato a um hospital.

Durante a realização da festa dos 122 anos de Emancipação Política de Codó, ao lado da Praça de São Sebastião, uma jovem de aproximadamente 25 anos passou mal ao ingerir bebida alcoólica ficando  desacordada e vomitando demasiadamente, sendo socorrida por amigos que a acompanhavam, o fato em si também foi presenciado por policiais, guardas municipais e seguranças, além de foliões que via a jovem deitada ao solo na espera por uma ambulância.

Ao acionar o 192, uma solicitante informou aos amigos da vítima que todas as ambulâncias estavam em atendimento e assim que a primeira terminasse, daria prioridade ao atendimento na praça, o que durou pontualmente 45 (quarenta e cinco) minutos de espera. Os funcionários desse conceituado órgão, nada têm haver com a omissão da gestão municipal, esses também fazem parte do rol de vítimas de um sistema de saúde quase falido.

Assim como as últimas mortes no trânsito e as mortes em sequencia no HGM no início da atual gestão, talvez o poder público dê prioridade na aquisição de novas ambulâncias quando mais pessoas perderem as vidas ao necessitar de atendimento desse serviço essencial à população, pois a vida humana está cada vez mais banal.

Polícia procura dupla suspeita de praticar assaltos na cidade de Codó

assaltantes

A Polícia Militar de Codó, por meio do Serviço de Inteligência e demais forças, tenta localizar uma dupla suspeita de estar praticando diversos roubos de celulares na cidade. Os dois têm agido em diversos pontos da cidade, o que tem dificultado a localização e identificação dos mesmos. Ontem, quando trafegavam em uma das avenidas mais movimentadas da cidade, foram flagrados pelo circuito de videomonitoramento privado logo após a realização de prática criminosa.

Caso alguém tenha informações que possam contribuir para a localização e identificação dos dois elementos da foto, podem entrar em contato pelo WhatsApp do 17° BPM, (99) 999771540.

A identidade do denunciante será mantida no mais absoluto sigilo.

Enem 2018 – Prazo para solicitar isenção da taxa encerra 15/04, faça a sua solicitação aqui

thumbnail_cronograma-enem-2018-800x675
O Exame Nacional do Ensino Médio está chegando e todos precisam atentar para os prazos e este ano a versão do concurso terá algumas mudanças, entre elas a solicitação de isenção do pagamento da taxa de inscrição que acontece antes das inscrições no Exame, e ainda;
  • Justificativa de ausência para isentos que não compareceram aos dois dias de prova do Enem 2017 e querem isenção no Enem 2018;
  • Isenção para quem atingiu nota mínima para certificação do ensino médio nas áreas para as quais se inscreveu no Encceja 2017;
  • Ampliação de 30 minutos na duração das provas do segundo dia de aplicação.
  • Possibilidade de recurso relacionado à isenção e justificativa de ausência.
  • Mais documentos aceitos na identificação.
  • Critérios de eliminação atualizados e ampliados.
  • Redação que desrespeitar os Direitos Humanos perde 200 pontos.
O exame, que completa 20 anos em 2018 e será aplicado nos dias 4 e 11 de novembro e o prazo de solicitação de isenção encerra às 23h59min do dia 15/04.
Para solicitar o benefício, o candidato deverá clicar aqui e preencher os campos indicados e seguir aos comandos.
Vale lembrar que o candidato que já participou de outras edições, gastará bem menos tempo no preenchimento dos dados, já que todas as informações já encontram se no banco de dados do sistema.

Apenas através do Enem o estudante tem acesso à Educação Superior pelo:

  • Sisu
  • Prouni
  • Instituições Portuguesas

Financiamento Estudantil

  • Fies

Desenvolvimento Pessoal

  • Autoavaliação
  • Inserção no Mercado de Trabalho

Melhorias na Educação

  • Estudos e Indicadores
  • Aperfeiçoamento do Ensino

Nas Provas…

4 Provas Objetivas, sendo 45 questões cada

  • Linguagens, Códigos e suas Tecnologias;
  • Ciências Humanas e suas Tecnologias;
  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias;
  • Matemática e suas Tecnologias.

1 Redação

  • Texto dissertativo-argumentativo a partir de uma situação-problema (política, social ou cultural);
  • 30 linhas no máximo.

Leia o Edital

 Nele estão todas as informações que você precisa saber sobre inscrições, provas e resultados.

Fique por dentro das regras e dos prazos!

Escolha sua versão!

  • Versão em PDF
  • Versão em texto
  • Versão em LIBRAS
  • O resultado da solicitação de isenção será divulgado em 23 de abril de 2018.
  • É sua responsabilidade acompanhar a situação da solicitação.
  • Se sua solicitação de isenção da taxa for aceita não significa que você esta inscrito.
  • Todo mundo precisa fazer a inscrição.

Período de recursos

Se a solicitação de isenção for negada é possível recorrer da decisão, na Página do Participante, entre 10h de 23 de abril e 23h59 de 29 de abril (Horário de Brasília – DF).

Confira os documentos aceitos para recurso:

  • Versão em PDF
  • Versão em ODT
  • Versão em DOC

Faixas elevadas começam com polêmicas, irregularidades e acidentes graves em Codó

redutor

Pelo menos cinco acidentes graves foram registrados pelos órgãos de saúde e segurança da cidade de Codó após a implantação das faixas elevadas nas principais ruas e avenidas da cidade de Codó. Acontece que para a implantação desse serviço, são necessárias algumas observações importantes.

A implantação das Faixas Elevadas, são reguladas conforme Resolução 495/2014 do CONTRAN, onde são definidas algumas regras importantes e que nesta resolução são definidas as regras onde não serão implantadas faixas elevadas para travessia de pedestres.

Andando pela cidade, podemos constatar que muitas regras estão sendo atropeladas e com isso contribuindo para a incidência de acidentes, como o do último dia 31/03 (próximo ao Guarapary ) onde o piloto de uma moto não conseguiu visualizar a faixa e ao frear bruscamente tendo o pneu traseiro da moto deslizado no asfalto molhado, tendo sofrido escoriações graves.

Avenida Vitorino Freire, sem Placa indicando a presença da Faixa Elevada.

Há ainda pontos onde a faixa foi construída onde já havia um quebra-molas, sem ao menos uma sinalização que indique um ou outro dos redutores de velocidade, como ocorre na porta da SEMECTI – Secretaria Municipal de Educação, Ciência, Tecnologia e inovação. No local não encontramos qualquer placa que indique que há serviços sendo feito nas vias, com objetivo de informar aos pedestres e passageiros sob o risco de acidentes.

De acordo com a Resolução 495/2014, em seu Art. 6° A implantação de faixa elevada para travessia de pedestres deve ser acompanhada da devida sinalização, contendo, no mínimo:

I – placa de Regulamentação “Velocidade Máxima Permitida”, R-19, limitando a velocidade até um máximo de 40km/h, sempre antecedendo a travessia, devendo a redução de velocidade da via ser gradativa, seguindo os critérios estabelecidos pelo CONTRAN;
II – placas de Advertência “passagem sinalizada de pedestres”, A-32b, nas áreas comuns de pedestres ou “passagem sinalizada de escolares”, A-33b, nas proximidades das escolas, acrescidas da informação complementar “faixa elevada”, antes e junto ao dispositivo, devendo esta última ser complementada com seta de posição, conforme desenho constante no ANEXO II da presente Resolução.
22
III – demarcações em forma de triangulo na cor amarela sobre o piso da rampa de acesso da faixa elevada para travessia de pedestres, conforme Anexo I. Para garantir o contraste, quando a cor do pavimento for clara, o piso da rampa deve ser pintado de preto;
IV – demarcação de faixa de pedestres na área plana da Faixa elevada para travessia de pedestres, conforme critérios estabelecidos no Volume IV – Sinalização Horizontal, do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito do CONTRAN.
Enfim podemos concluir que as “Faixas Elevadas” chegaram antes da preparação dos locais com sinalização prévia, contribuindo portanto para os acidentes por hora ocorridos.
Em conversa informal com um funcionário do DMTRANS de Codó, ele atribui ao alto número de acidentes ocorridos nas proximidades das Faixas à imprudência dos condutores aliada à má educação dos componentes do sistema de transito, não assumindo assim a responsabilidade dos ocorridos.
DESVANTAGENS
1 – Com possíveis freadas e arrancadas, pode aumentar a poluição sonora;
2 – Pode causar rachadura nas casas próximas a lombada;
3- Causa problemas no transporte coletivo tais como: atrasos no horário, desconforto aos passageiros (principalmente gestantes e pessoas com fraturas), etc;
4 – Pode causar atrasos para atendimento de veículos de socorro/ emergência;
5 – Pode transferir o tráfego para ruas vizinhas, e,
6 – Aumento do consumo de combustível.
VANTAGENS
1 – Pode reduzir o número de acidentes e sua  gravidade, quando a causa for o excesso de velocidade, e,
2 – Propicia maior segurança na travessia de pedestres e escolares.

Policiais Militares do 17° BPM localizam moto roubada e realizam entrega a proprietária

moto rec

Na última sexta feira, compareceu na sede do 17° BPM, uma família da Zona Rural de Caxias-MA, após um de seus membros ter ouvido a divulgação em um programa de rádio sobre a recuperação de três motos com suspeitas de roubo encontradas na Zona Rural de Codó, onde uma moto HONDA, FAN preta e sem placas estava entre elas.

Após ouvir a divulgação do chassi da motocicleta através de um programa de rádio, o irmão da dona Maria Lameus Pereira Santos, procurou a mesma para contar a notícia, para que em seguida pudessem verificar o chassi da moto para então constatar se era ou não a moto da família, que havia sido roubada há quase dois anos lá mesmo no interior de Caxias-MA.

Ao tomar conhecimento da recuperação da motocicleta, um policial de Caxias-MA, que também trabalhou em Codó procurou a família para passar a informação da recuperação do veículo. No dia seguinte, de posse dos documentos comprobatórios, dona Maria procurou a sede do 17º BPM, onde acabou recebendo das mãos dos policiais do Serviço Reservado a moto de seu filho.

“Não sei nem como agradecer, quero só agradecer a Deus e aos policiais de Codó que recuperaram a moto do meu filho que tinha acabado de ser adquirida, ainda hoje eu pago as prestações. Graças a Deus que a moto ainda está em perfeitas condições!” disse dona Maria, ainda emocionada.

IFMA de Codó emite nota informando suspensão das aulas em virtude da queda de uma ponte

26231660_157124888268756_8951566391877806906_n

A direção do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – IFMA, Campus Codó emitiu nota no final de semana por meio da Direção  Geral, esclarecendo o fato da queda de uma ponte na parte interna do Instituto em virtude das fortes chuvas, onde a pressão da água e acabou levando a ponte na correnteza. Segue a nota:

Informamos que a ponte que fica situada dentro do IFMA caiu em decorrência das fortes chuvas, inviabilizando o acesso ao campus pela via principal e também por outros acessos. Nestas circunstâncias as atividades de ensino que envolvem alunos estão suspensas nesta segunda-feira (09/04/2018) e terça-feira (10/04/2018) para que os devidos reparos na estrada sejam feitos.Permanecem mantidas as atividades relativas à Fazenda (DDE – DPAD), Administração (DG – DAP) e acompanhamento aos residentes por parte do (DDE / DEPEX / DAE). 

O IFMA Campus Codó está trabalhando para que a situação seja resolvida e para que as nossas atividades voltem ao normal o quanto antes. 

Informamos ainda que o fornecimento de energia elétrica pela CEMAR foi restabelecido e que para auxiliar na resolução do problema entramos em contato com o 2° Batalhão de Engenharia e Construções do Exército, DNIT e Prefeitura de Codó.

Por fim, fiquem certos de que todos os esforços estão sendo feitos para que possamos ter o nosso principal acesso ao Campus restabelecido.

Codó-MA, 07 de abril de 2018.

“Time de fibra e de garra!” Mesmo com salários atrasados, jogadores do Moto Club levam título no peito e na raça!

Moto club

Foto do Facebook do Clube

Com um “Time de Homens”, a equipe Rubro Negra do Moto Club sagrou-se campeã do Campeonato Maranhense 2018. Mesmo fora de casa, o time não se deixou abater pela pressão da torcida adversária e segurou o resultado com o regulamento debaixo do braço. Mesmo com salários atrasados, os problemas extracampo não interferiu no rendimento da equipe que desde o ano passado carrega o patrimônio “Moto Club” nas costas.

O título do maranhense 2018 mostra que ainda há atletas comprometidos com as equipes. Lembro me que em Bacabal a equipe parecia não evoluir e a torcida desconfiava se o time chegaria onde chegou de forma invicta e com todos as dificuldades.

Como foi a partida?

Depois de ter conquistado uma vitória maiúscula no jogo de ida na capital, o Moto entrou em campo com a vantagem de poder perder por até dois gols de diferença para se  tornar campeão.

O primeiro tempo foi disputado com cautela pelas duas equipes, tornando o jogo sem muitas oportunidades e o placar não foi alterado. Sendo as emoções guardadas para a etapa final, quando, Daniel Barros, de pênalti, e Kanu, de cabeça, colocaram o Cavalo de Aço na frente.

rodrigo

Imagem globoesporte.com

Ainda no primeiro tempo o goleiro do Moto, Rodrigo Ramos (o Paredão) se machucou numa disputa de bola na área, cortando o supercílio, sendo obrigado a sair do jogo chorando e muito tonto.

Com a situação de Rodrigo, não restou outra saída para o Moto, que lançou o jovem goleiro Matheus e logo numa final, onde um detalhe poderia dar o título ao adversário, mas a jovem promessa motense mostrou personalidade e não teve culpa nos dois gols que a equipe pegou.

Com o 2 a 0 para o Imperatriz, o Moto passou a pegar pressão até conseguir descontar com Ricardo Maranhão, foi quando a equipe passou a administrar melhor a partida tendo  tranquilidade para encaminhar o título do Campeonato Maranhense de 2018, o 26º da história do Rubro-Negro.

Após a conquista do Campeonato Maranhense, o Moto Club terá a missão reforçar a equipe para a Série D 2018, onde fará sua estreia dia 22/04 no interior do Rio Grande do Norte, contra o time do Assu.

Mais uma vez os vereadores de Codó dão show em mais uma sessão improdutiva

vergonha

Não foi dessa vez que nossos vereadores tiveram a ousadia de produzir em prol da população, a briga dos 4 contra 13 ou vice-versa já dura quase um mês sem sequer termos uma sessão na qual seja votada uma matéria relevante.

A baixaria gerada por conta de uma ação judicial motivada por um cidadão do povo, pelo menos assim podemos dizer, mesmo sabendo que tudo esteja sendo orquestrado pelo grupo político da base aliada do Executivo, pois além do interesse em se ter um Legislativo ausente, omisso e improdutivo, nesse momento há a real possibilidade, caso Expedito tenha seu mandato cassado, de que uma suplente de vereadora seja empossada  ao cargo de vereadora. Esse   é o cenário que se tem no momento.

Os quatro vereadores considerados opositores ( Pedro Santos, Nonato Sampaio, Rodrigo Figueiredo e Expedito Carneiro), não têm força para deliberar nada, pois o grupo dos 13 possuem vereadores experientes e que conseguem sempre bagunçar mais ainda a casa da mãe Joana.

Ontem, após sentar na cadeira de presidente, o vereador Expedito Carneiro não abriu pra ninguém, por mais educada e debochada como foi a forma como pedia o vereador Leonel Filho.

Você vai ficar falando a noite todinha aí, mas, só se você vier me tirar”, disse o vereador Expedito após pedido de Leonel Filho. “Eu podia muito bem ir tirar, seria até um prazer pra mim, mas é que eu não sou um mal educado como Vossa Excelência, não é por medo não, acredite nisso aí viu presidente, não é por medo não, é por educação ao povo de Codó”, como se realmente o vereador fosse bem educado.

As cenas do próximo capítulo estarão reservadas para a próxima terça-feira.

ILEGAL | Conta-benefício não pode ser convertida em corrente sem autorização

Bancos não podem converter em conta-corrente, sem autorização, uma conta criada para receber benefício previdenciário. Esse foi o entendimento do Juizado Especial Cível e Criminal de Açailândia, em sentença assinada pelo juiz Pedro Guimarães Júnior. A ação foi promovida por um consumidor contra o Banco Bradesco S/A. Além de declarar nula a conversão da conta, a Justiça condenou a instituição financeira ao pagamento de R$ 2 mil a título de indenização por danos morais.

Na ação, o autor relatou que possui uma conta benefício junto à instituição financeira e que, sem autorização, sua conta benefício foi convertida em conta-corrente. A partir dessa conversão, o banco passou a descontar diversas tarifas bancárias, o que teria comprometido a renda previdenciária do homem. A empresa, por seu advogado, apresentou resposta alegando que houve regular exercício de direito e que inexiste falha na prestação de serviço, pedindo a improcedência da ação.

O juiz ressaltou que a parte autora sustentou não haver contratado com a parte ré, que afirmou exatamente o contrário. “O cliente afirmou a que não firmou contrato para abertura de conta-corrente junto a instituição ré, uma vez que é destinada exclusivamente ao recebimento de benefício previdenciário. A parte ré contou com a oportunidade de apresentar o instrumento contratual para provar que agiu no exercício regular do direito, não o fez. Tenho, pois, que não houve prova da contratação da mudança da modalidade da conta benefício para conta-corrente, bem como de qualquer negócio jurídico firmado entre as partes que pudesse justificar a incidência mensal de tarifas bancárias no benefício previdenciário da parte autora”, observou a sentença.

Para o magistrado, no caso em questão, a parte autora foi alvo de cobranças e de descontos mensais em seu benefício previdenciário, referentes a tarifas bancárias indevidas, motivo pelo qual verificou o dever de indenizar. “A parte ré deveria, ao desempenhar sua atividade produtiva, conduzir-se com maior zelo, cercando-se dos cuidados necessários de esclarecer, informar e assessorar seus clientes na contratação dos seus serviços. Em suma, concorrem todos os elementos que configuram a responsabilização civil da parte ré”, diz o juiz.

O magistrado reconheceu a ilegalidade das cobranças e dos descontos efetuados a título de tarifas bancárias sobre a renda previdenciária do cliente, determinando a devolução em dobro dos valores indevidamente descontados, uma vez que não há nos autos prova de que a parte ré tenha incorrido em engano justificável.

Por: Michael Mesquita
Assessoria de Comunicação